Enchentes nas Filipinas matam dezenas

Player

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Dezenas de pessoas morreram nas enchentes que atingiram as Filipinas neste fim de semana.

O chefe do Conselho Nacional de Coordenação de Desastres, Anthony Golez, afirmou que faltam recursos para lidar com a escala do desastre.

As chuvas torrenciais causadas pela tempestade tropical Ketsana provocaram enchentes na capital, Manila, e em outras 25 províncias no sábado.

Cerca de 80% da área da capital ficou embaixo d'água, deixando centenas de milhares desabrigados.

A energia elétrica e os telefones permanecem cortados em partes de Manila, enquanto representantes do governo local afirmam que falta alimentos, água e comida para os sobreviventes abrigados em campos improvisados.

"Nós estamos nos concentrando em esforços maciços nas operações de ajuda. O sistema está sobrecarregado, as unidades locais de governo estão sobrecarregadas", disse Golez à imprensa.

Soldados, policiais, médicos e um grande número de voluntários estão envolvidos nos esforços para ajudar as vítimas das enchentes, disseram as autoridades.

Calamidade

Durante o fim de semana, o governo declarou "estado de calamidade" em Manila e 25 províncias, permitindo o acesso a fundos de emergência.

A presidente das Filipinas, Gloria Arroyo, visitou algumas das áreas devastadas pedindo calma em relação ao que chamou de "evento extremo" e pedindo doações para os esforços de resgate.

O chefe do serviço de meteorologia das Filipinas, Nathaniel Cruz, disse que mais de 40 cm de chuva caíram sobre Manila em apenas 12 horas, no sábado. A média de chuva para todo o mês de setembro foi de 39 centímetros.

O recorde anterior, de 33 centímetros de chuva ao longo de 24 horas, foi registrado em junho de 1967, acrescentou Cruz, que responsabilizou as mudanças climáticas pelas enchentes.

A tempestade Ketsana, cujos ventos atingiram 100 km por hora, chegou às Filipinas no sábado de manhã, cruzando a ilha principal, Luzon, antes de seguir para o mar do Sul da China.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.