Oriente médio

Israel responde por morte de ativista

Player

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Começa nesta quarta-feira em Israel um processo contra o governo israelense, acusado de ser responsável pela morte da ativista americana Rachel Corrie.

Em 2003, aos 23 anos, Corrie passou cerca de um mês e meio documentando a ação das autoridades israelenses na Faixa de Gaza.

Ela morreu quando filmava outros ativistas internacionais tentando interromper a demolição de casas palestinas.

A família de Corrie alega que a moça morreu cinco minutos depois de os militares terem recebido novas ordens para não deixar os ativistas internacionais atrapalharem as suas atividades.

Inquérito

Eles acusam as autoridades ainda de nunca ter feito um inquérito aprofundado sobre a morte da ativista.

Os diários de Corrie, publicados após a morte dela, e uma peça sobre a vida da jovem a transformaram em um símbolo da campanha internacional em defesa dos palestinos.

Israel afirma que em 2003 enfrentava uma onda de atentados suicidas e foi obrigado a destruir a periferia de Gaza para evitar outros ataques.

Segundo o governo do país, as ações da época foram cruciais para proteger as vidas de muitos israelenses.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.