Manifestantes incendeiam carro da Al Jazeera no Líbano

Player

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

O presidente do Líbano, Michel Suleiman, nomeou nesta terça-feira o candidato da oposição Najib Mikati para o cargo de primeiro-ministro, abrindo caminho para a formação de um governo liderado pelo grupo xiita Hezbollah.

De acordo com um comunicado da Presidência, o empresário bilionário sunita Najib Mikati conquistou os votos de 68 parlamentares, contra 60 do ex-premiê Saad Hariri.

Segundo a Constituição libanesa, o posto de premiê deve ser ocupado por um muçulmano sunita.

Mikati já foi primeiro-ministro durante três meses em 2005, logo após a morte do então premiê Hafik Hariri, pai de Saad.

Violência

Enquanto o Parlamento libanês votava, simpatizantes dos partidos que formam o bloco 14 de Março, liderado por Hariri, saíram às ruas em novos protestos, cada vez mais violentos.

Desde a segunda-feira milhares de manifestantes protestam contra um possível governo do Hezbollah, afirmando que o grupo orquestra um "golpe" para permitir que Irã e Síria controlem o Líbano.

Protesto em Tripoli

Manifestantes protestam contra um possível governo do Hezbollah.

Os protestos se tornaram violentos em várias regiões do país e na capital, Beirute, com bloqueios a estradas, incluindo a principal rodovia que liga o país à fronteira com a Síria. Nas ruas da capital e de Trípoli, a segunda maior cidade do país, partidários de Hariri queimaram pneus e bloquearam ruas.

Em alguns pontos das duas cidades, jornalistas libaneses e estrangeiros foram agredidos a pedradas. Alguns foram levemente feridos. Emissoras de TV como a Al Jazeera e a Al-Jadid tiveram veículos queimados.

Tiroteios teriam ocorrido em bairros no oeste e sul de Beirute. Estradas foram bloqueadas por simpatizantes de Hariri no norte e sul do país, assim como em regiões do Vale do Bekaa, no leste do Líbano.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.