Paquistão

Paquistanesa vítima de estupro coletivo fala sobre libertação de acusados

Player

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Tocar com outro programa

Todos os dias, Mukhtaran Mai, uma paquistanesa de um vilarejo da província do Punjab, sul do país, enfrenta o trauma de ter sido vítima de um estupro coletivo.

Há nove anos, o conselho de anciãos da vila onde Mai vivia determinou que ela fosse estuprada por seis homens. Esta decisão foi a punição pelo fato de seu irmão, que na época tinha 12 anos, ter tido um caso com uma mulher de outro clã.

Em vez de cometer suicídio, como muitas mulheres paquistanesas estupradas, Mai iniciou uma batalha legal e se tornou símbolo da defesa dos direitos humanos no país.

Em 2002, os acusados pelo estupro foram detidos e julgados. A Justiça paquistanesa condenou os seis à morte.

Mas, na semana passada, a Suprema Corte do Paquistão decidiu libertar cinco dos seis acusados de estupro e trocar a sentença de morte do sexto por prisão perpétua.

"Estou magoada e preocupada, passando pelas mesmas coisas que passei em 2002, trouxe de volta toda a dor", disse Mai em entrevista à BBC.

Ela conta que, há nove anos, foi uma decisão do conselho tribal, mas agora é pior, pois se trata do veredito da Justiça paquistanesa.

Abrigo e fama

Mukhtaran Mai na escola para meninas que fundou no Paquistão

Mukhtaran Mai na escola para meninas que fundou no Paquistão

Desde o ataque, Mai, que era analfabeta, fundou uma escola para meninas e um abrigo para mulheres. Ela recebeu prêmios internacionais por sua coragem e sua biografia foi publicada no mundo todo.

Mai ainda diz que, se os homens libertados voltarem para o vilarejo, ela teme pela própria segurança e pela segurança das alunas de sua escola. Mas, ela também teme por outras mulheres que sofreram abusos e seguiram seu exemplo.

Muitas procuram o abrigo dirigido por Mai. Como o exemplo de Nasreen, 12 anos e nome falso por motivos de segurança, que foi estuprada pelo próprio pai.

No abrigo para mulheres ela recebe ajuda, mas a situação dela é difícil.

Shazia Amin, gerente do abrigo, conta que está fazendo de tudo para ajudar Nasreen.

"Mas todas a meninas agora sabem o que aconteceu no caso de Mukhtaran Mai, todos estão preocupados e desanimados."

O sentimento é de que, se os acusados no caso mais famoso do país podem ser libertados, então, há pouca esperança de haver justiça no Paquistão para meninas como Nasreen.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.