Obama derruba veto a verba para grupos pró-aborto

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama (AP)
Image caption Obama deve reverter veto a pesquisa com células-tronco

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou nesta sexta-feira uma medida que põe fim a um veto ao financiamento americano a entidades internacionais de planejamento familiar que apoiem o aborto ou que forneçam informações a respeito dessa prática.

Os Estados Unidos são um dos maiores financiadores de programas de planejamento familiar em todo o mundo, em especial em países em desenvolvimento.

Mas o antecessor de Obama, o ex-presidente George W. Bush, vetou o envio de verbas a entidades pró-aborto.

A ação de Obama representa mais uma reversão de decisões tomadas durante a gestão do ex-líder americano.

Espera-se que Obama também reverta o veto de Bush ao financiamento por parte do governo federal de pesquisas que utilizem células-tronco extraídas de embriões.

Reversão

Nesta semana, o novo presidente determinou o fechamento, dentro de um ano, da prisão situada na base naval americana de Guantánamo, em Cuba, e ainda baniu o uso de técnicas duras de interrogatórios de prisioneiros acusados de terrorismo.

O veto ao auxílio a entidades pró-aborto foi estabelecido pela primeira vez em 1984, pelo presidente Ronald Reagan, um republicano.

Anos depois, o democrata Bill Clinton reverteu o veto, que acabou sendo restituído por seu sucessor, George W. Bush, em 2001, como uma das primeiras ações de seu governo.

A medida tomada nesta sexta por Obama foi elogiada por grupos pró-aborto, mas recebeu críticas de militantes que se opõem à prática.

Ao contrário das outras determinações tomadas por Obama nesta semana revertendo práticas de Bush, a derrubada do veto foi feita com discrição, no final do dia e não foi mostrada pelas emissoras americanas.

A administração Obama teria preferido o tom discreto devido ao caráter polêmico da medida junto aos americanos.

Células-tronco

Ainda nesta sexta-feira, FDA (sigla de Food and Drug Administration), agência reguladora da fabricação e comercialização de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos, permitiu que uma empresa da Califórnia realize o primeiro teste em humanos com células-tronco retiradas de embriões humanos.

O anúncio foi feito pela própria empresa, a Geron Corporation, que diz que os testes devem começar no verão deste ano.

Os cientistas vão aplicar as células-tronco para tratar voluntários que sofreram danos graves na medula espinhal.

O ex-presidente Bush havia tido embates com o Congresso, com pesquisadores e defensores das pesquisas com células-tronco por conta das restrições estabelecidas por ele.

Apesar da expectativa de que Obama venha a reverter a medida, a FDA disse não ter tomado a sua decisão baseado em políticas governamentais.

Mas a companhia Geron Corporation só anunciou a sua intenção de realizar a pesquisa dias depois de Obama ter tomado posse.