Europa propõe ampliar mercado global de crédito de carbono

Usina de energia em Patnow, na Polônia
Image caption União Europeia quer cortar emissões em 20% até 2020

A Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira a ampliação do mercado global para comércio de créditos de carbono como parte de um plano para enfrentar a mudança climática.

A União Europeia já se comprometeu com a expansão de seu Plano de Comércio de Emissões (ETS, na sigla em inglês) e agora pede que outros países industrializados se juntem ao esquema.

A comissão afirmou que até 2015 quer ligar o ETS a outros sistemas de comércio de créditos de carbono. O objetivo é incluir economias emergentes até 2020.

Uma conferência sobre mudanças climáticas da ONU deve ocorrer em dezembro, em Copenhague, e espera-se que o resultado desta reunião seja um novo acordo que substitua o Protocolo de Kyoto.

Estados Unidos

O comissário europeu para o Meio Ambiente, Stavros Dimas, pediu um acordo internacional e afirmou que a participação dos Estados Unidos seria muito importante. Os Estados Unidos não assinaram o Protocolo de Kyoto, firmado em 1997.

"Com estas medidas a Europa mostrou o caminho, mas apenas uma ação global poderia controlar a mudança climática. Por isso um acordo internacional forte e abrangente é muito importante", disse Dimas.

"O compromisso do presidente (dos Estados Unidos, Barack) Obama de colocar os Estados Unidos de volta na batalha contra o aquecimento global é muito animador", afirmou.

Segundo o correspondente da BBC em Bruxelas Dominic Hughes, Dimas também pediu que economias emergentes como Brasil, China e Índia aumentassem os esforços para instituir planos de cortes nas emissões de gases de efeito estufa.

Dinheiro

A Comissão Europeia afirmou que para cortar emissões de gases de efeito estufa serão necessários mais investimentos no mundo todo, que poderiam chegar a 175 bilhões de euros (cerca de R$ 535 bilhões) por ano em 2020.

Mais da metade destes investimentos será necessária nos países em desenvolvimento, segundo a comissão.

Kim Carstensen, especialista em clima do grupo ambientalista internacional WWF, afirmou que a União Europeia deveria "se concentrar no que a Europa deveria fazer se quiser recuperar a reputação de líder na luta contra a mudança climática".

Em dezembro o Parlamento Europeu apoiou um pacote de medidas da União Europeia para combater o aquecimento global, incluindo o compromisso de cortar as emissões de carbono em 20% até 2020, comparado com os níveis de emissões em 1990.

Fontes renováveis

O bloco europeu pretende aumentar o uso de fontes renováveis de energia em 20% do total de uso energético e alcançar um corte de 20% no consumo de energia até o ano de 2020.

O sistema ETS para comércio de créditos de carbono foi lançado pela União Europeia em 2005 e cobre apenas a indústria pesada e grandes usinas de energia mas, aos poucos, deve incluir outros setores.

Críticos afirmam que as concessões feitas a alguns setores industriais poderiam diminuir o impacto do pacote no longo prazo.

Cientistas afirmam que as emissões de dióxido de carbono precisam ter um corte entre 25% e 40% até 2020 para existir uma chance razoável de prevenção de uma mudança climática mais perigosa.