Panasonic vai fechar 27 fábricas e demitir 15 mil

Panasonic teve perdas líquidas
Image caption Panasonic teve perdas líquidas pela primeira vez em seis anos

A gigante japonesa Panasonic anunciou, nesta quarta-feira, que vai cortar 15 mil postos de trabalho e fechar 27 fábricas até 2010. A Panasonic informou que 50% dos cortes serão no Japão e a outra metade será em unidades em todo o mundo.

O anúncio foi feito após a empresa prever um prejuízo de 380 bilhões de ienes (US$ 4,244 bilhões) neste ano fiscal, que termina no fim de março. Será a primeira vez em seis anos que a maior fabricante mundial de telas de plasma terá prejuízo líquido.

Em um comunicado divulgado em São Paulo, a Panasonic do Brasil afirma que "não há informações sobre possíveis reflexos da decisão da empresa" no país.

Questionado se o Brasil poderia ser atingido, Akira Kadota, da assessoria de imprensa da Panasonic no Japão, não quis falar de países específicos. Ele disse, entretanto, que os locais das demissões ainda não foram decididos e que elas poderiam, em tese, ocorrer em qualquer país. A Panasonic tem duas fábricas no Brasil e emprega cerca de duas mil pessoas no país.

Vendas em queda

Até o começo do ano passado, a Panasonic ainda esperava fechar o ano com lucro.

Depois do terceiro trimestre, a empresa viu suas vendas internas caírem 20%. As exportações também sofreram um recuo de 29%.

"As vendas caíram em todos os nossos segmentos no final do ano e prevemos que elas devam afundar ainda mais", disse Makoto Uenoyama, diretor da Panasonic numa coletiva de imprensa.

Os cortes anunciados representam 5% do total de 300 mil empregados da Panasonic no mundo.

Outros cortes

Por causa do agravamento da crise financeira mundial e da valorização do iene, que prejudica exportações, outras produtoras de eletrônicos japonesas também já esperam perdas até o fechamento deste ano fiscal.

Somente na semana passada, a NEC anunciou corte de 20 mil postos no mundo até março de 2010, enquanto a Hitachi disse que iria mandar sete mil embora. A Sony também já anunciou 16 mil demissões no mundo e o fechamento de até seis fábricas.

Além das fábricas de eletrônicos, as automobilísticas também amargam perdas e cortam postos de trabalho.

Nesta quarta-feira, a fabricante de carros Mazda disse que vai demitir mais 500 trabalhadores temporários. No total, dois mil trabalhadores serão demitidos pela empresa no Japão.

Notícias relacionadas