Alemanha aprova pacote contra maior retração desde reunificação

Funcionários na Siemens
Image caption Exportadores da Alemanha foram atingidos pela crise mundial

O Parlamento alemão aprovou nesta sexta-feira um pacote de medidas para reaquecer a economia e enfrentar a pior retração desde a reunificação.

O Produto Interno Bruto alemão registrou uma forte queda de 2,1% no último trimestre de 2008 em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, segundo o Departamento Federal de Estatísticas da Alemanha.

A queda do PIB surpreendeu até os economistas mais pessimistas. O recorde negativo desde a reunificação alemã em 1990 vinha sendo a queda de 1,2% no primeiro trimestre de 1993.

A economia alemã, a maior da Europa, retraiu pelo terceiro trimestre consecutivo e está em plena recessão. Mesmo assim a economia cresceu em 1,3 % em 2008 graças a um bom desempenho no primeiro trimestre do ano, mostram dados divulgados nesta sexta-feira.

Segundo os analistas, desta vez a queda do PIB mostra que a crise financeira chegou definitivamente à Alemanha, já que todos os setores da economia foram afetados - desde a exportação até o consumo interno.

A esperança agora é que um vasto pacote de medidas aprovado nesta sexta-feira pelo Parlamento alemão consiga reaquecer a economia.

O governo vai investir ao longo de 2009 e 2010 um total de 50 bilhões de euros (cerca de R$ 150 bilhões) em projetos de infra-estrutura como reformas de escolas, construção de estradas e expansão das linhas ferroviárias.

Entre as medidas estão também vantagens tributárias e um bônus para famílias com filhos. O pacote é o maior conjunto de medidas econômicas já anunciado no país depois da Segunda Guerra.

O governo alemão prevê para 2009 a "pior recessão do pós-guerra" e estima que a economia deverá retrair em 2,25% até o final do ano.

A crise financeira mundial atingiu em cheio as exportações alemãs e também o setor automobilístico do país, dois importantes pilares da economia. O desemprego está crescendo e já atinge 3,5 milhões de pessoas.