Egito prende três suspeitos de explosão no Cairo

Polícia do Egito patrulha local da explosão
Image caption Ainda não se sabe quem é o grupo responsável pelo ataque

A polícia do Egito está interrogando três pessoas suspeitas de envolvimento na explosão de uma bomba neste domingo em um mercado do Cairo, no qual uma turista francesa morreu e pelo menos outras 22 pessoas ficaram feridas.

Os três foram detidos nos arredores do local do ataque em uma operação realizada logo depois da explosão, segundo a polícia.

Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

O ataque de domingo ocorreu em um café ao ar livre na região do mercado de Khan al-Kalili, uma área popular entre turistas.

O Ministério do Exterior da França confirmou que a única vítima fatal, uma adolescente de 17 anos, viajava com um grupo de jovens de Paris. Entre os feridos no ataque estão outros franceses, alemães e egípcios.

Duas bombas

De acordo com o correspondente da BBC no Cairo Christian Fraser, foram colocadas duas bombas e apenas uma explodiu. A outra foi desativada e as duas seriam dispositivos pequenos. Muitos acreditam que este fato já descarta vários grupos fundamentalistas mais famosos.

Ainda há informações confusas a respeito de onde a bomba explodiu: se foi colocada debaixo de um banco como foi informado pelo Ministério do Interior ou se, de acordo com testemunhas, o dispositivo teria sido jogado do andar de cima de um hotel próximo.

A área onde ocorreu a explosão tem ruas estreitas e estaria lotada de visitantes no momento do ataque, o que teria contribuído para a destruição causada pela bomba.

"A explosão foi tão forte que a terra estremeceu debaixo dos nossos pés", disse uma testemunha à televisão egípcia.

"Nós todos nos deitamos no chão. Havia sangue nas costas de uma das pessoas que fugiam da explosão. Eu até vi uma mão e braço. Pedaços de um corpo", afirmou a testemunha.

''Momento delicado''

O Khan al-Kalili já foi alvo de um atentado em 2005, quando três pessoas morreram, entre elas um turista francês e um americano, mas já havia quase três anos que não acontecia um ataque deste tipo no Egito.

O último aconteceu em abril de 2006, em Dahab, no Mar Vermelho, matando 23 pessoas.

Christian Fraser diz que a explosão deste domingo será motivo de grande preocupação para as autoridades egípcias.

Segundo Fraser, este é um momento delicado para o governo, que sofreu críticas e ganhou inimigos devido a suas posições durante o conflito recente entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza.

Notícias relacionadas