Nacionalistas perdem maioria no parlamento Basco

Eleição no País Basco neste domingo
Image caption Nacionalistas mantêm uma hegemonia de 30 anos no País Basco

Em eleições realizadas neste domingo, o Partido Nacionalista Basco perdeu a maioria absoluta no Parlamento do País Basco, uma região do norte da Espanha que há décadas mobiliza um movimento separatista associado ao grupo extremista ETA.

O partido obteve 31 das 75 cadeiras no Parlamento e, mesmo se obtivesse o apoio de outras agremiações nacionalistas, não teria maioria.

Por outro lado, os socialistas garantiram 24 deputados e poderiam obter a maioria com alianças com outros partidos não-nacionalistas.

Nunca um partido não-nacionalista liderou um governo no território desde a aprovação do Estatuto de Autonomia Basco, em 1979.

Desde 1980, o primeiro-ministro basco tem sempre sido do Partido Nacionalista Basco. O atual, Juan José Ibarretxe, ocupa o cargo desde 1999.

Galícia

No noroeste da Espanha, a Galícia - outra região espanhola que, como o País Basco, tem sua própria língua e cultura - também realizou eleições parlamentares neste domingo.

O pleito foi marcado pela vitória dos conservadores do partido PP, que, por uma pequena margem derrotaram os socialistas.

O PP ficou com 39 cadeiras, enquanto que o Partido dos Socialistas da Galícia-PSOE teve 24 e o Bloco Nacionalista Galego, 12.

Com isso, pela primeira vez em quatro anos, a região não será governada por uma coalizão entre os socialistas e os nacionalistas galegos.

Esta foi o primeiro teste nas urnas do primeiro-ministro espanhol, o socialista José Luis Rodríguez Zapatero, desde que a Espanha entrou em recessão, no ano passado.