Otan retoma relações com a Rússia

Image caption Clinton disse querer discutir temas polêmicos com a Rússia

A Organização do Tratado do Atlântico Norte, a Otan, decidiu nesta quinta-feira restabelecer suas relações com a Rússia, na expectativa de "trabalhar de maneira construtiva" com o país.

"Todos concordamos que é hora de estabelecer uma relação construtiva com a Rússia", disse a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, ao concluir sua primeira reunião com os ministros de Relações Exteriores aliados.

"Há áreas em que acredito que não apenas podemos, mas devemos cooperar com a Rússia, como rotas de abastecimento para o Afeganistão e a questão da não proliferação (de armas de destruição massiva). Acreditamos que o diálogo tem a capacidade de solucionar problemas."

O chamado Conselho Otan-Rússia foi congelado em agosto passado em represália às ações militares de Moscou nos territórios separatistas georgianos de Ossétia do Sul e Abecásia e ao reconhecimento da independência dessas duas regiões. As conversas foram retomadas em dezembro, mas apenas em caráter informal.

A primeira reunião a nível ministerial está prevista para depois da cúpula de aniversário que a Otan celebra nos dias 3 e 4 de abril em Estrasburgo (França).

Diferenças

Segundo o secretário-geral da Otan, Jaap de Hoop Scheffer, a normalização das relações não representa uma concessão à Rússia.

Ele insistiu que os aliados continuam condenando os ataques russos à Geórgia, em agosto passado, e a decisão de Moscou de construir bases militares em Abcásia e Ossétia do Sul.

"É verdade que as diferenças que temos em muitas questões fundamentais persistem. Mas temos duas opções: falar ou não sobre elas. Podemos decidir não falar, mas acho que isso seria contra-produtivo", defendeu Scheffer.

"Pressionaremos a Rússia a cumprir integralmente seus compromissos com a Geórgia."

Os aliados também pretendem aproveitar as reuniões ministeriais para conquistar o apoio de Moscou em questões cruciais para o bloco, como as operações no Afeganistão e as negociações para suspender o programa nuclear iraniano.

A retomada do diálogo por parte da Otan facilitará o caminho de Clinton na reunião que deve manter nesta seta-feira, em Genebra, com o ministro das Relações Exteriores russo, Serguei Lavrov, quando pretende retomar o debate sobre o plano americano de instalar um escudo de defesa antimísseis na Polônia e República Tcheca, que tanto irrita Moscou.

"Direi a Lavrov que a Europa tem o direito de se defender das ameaças do século 21", afirmou a secretária de Estado americana .