Governo dos EUA vai anunciar plano para compra de ativos tóxicos

Timothy Geithner (arquivo)
Image caption Gethner disse que o plano será melhor para os contribuintes

O governo dos Estados Unidos deve anunciar nesta segunda-feira detalhes de um plano de US$ 500 bilhões para encorajar os investidores privados a comprarem ativos tóxicos, removendo-os do balanço dos bancos.

O plano vai oferecer subsídios na forma de empréstimos a juros baixos para investidores privados para encorajá-los a comprar hipotecas de proprietários em vias de inadimplência e outros empréstimos.

Em artigo no jornal americano Wall Street Journal, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, disse que as medidas são necessárias para ajudar na recuperação do sistema financeiro.

O "Programa de Investimento Público-Privado" vai comprar as hipotecas problemáticas e papéis que estão na raiz da crise de crédito.

Inicialmente o governo vai oferecer financiamento de US$ 500 bilhões para ativos tóxicos, com potencial para chegar a US$ 1 trilhão.

"Ao longo do tempo, ao criar um mercado para esses ativos, este programa vai ajudar a aumentar o valor desses ativos, aumentar a capacidade de empréstimo dos bancos e reduzir a incerteza sobre a escala de prejuízos no balanço dos bancos", disse Geithner.

Ele acrescentou que o plano é necessário porque o sistema financeiro dos Estados Unidos como um todo ainda está emperrando a recuperação econômica e "muitos bancos, ainda onerados por más decisões de empréstimo, estão resistentes à concessão de crédito".

Geithner disse que encorajar o setor privado a participar do plano será melhor para o contribuinte pois os riscos na compra dos ativos tóxicos serão compartilhados.

O editor para Negócios da BBC, Robert Peston, disse que o objetivo do plano é retirar o máximo possível dos ativos tóxicos do balanço dos banco. A estratégia é diferente da adotada pela Grã-Bretanha, que optou por usar recursos públicos para garantir o Royal Bank of Scotland e o Lloyds Banking Group contra futuras perdas com bilhões de dólares em empréstimos ruins e investimentos.

Os mercados aguardam com ansiedade os detalhes do plano americano para lidar com os ativos tóxicos dos bancos, que são vistos como um obstáculo para a recuperação da economia mundial.