EUA anunciam plano para maior controle sobre sistema financeiro

Timothy Geithner, secretário do Tesouro dos EUA
Image caption Geithner diz que objetivo do governo é adotar controle mais rigoroso

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, anunciou nesta quinta-feira planos de criar um órgão com amplos poderes para regular o sistema financeiro.

Pelas propostas do governo americano, a nova entidade deve estabelecer regras para instituições financeiras, serviços e mercados e, pela primeira vez, submeter hegde funds e derivativos à autoridade do governo.

Durante depoimento ao Comitê de Serviços Financeiros do Congresso americano, Geithner afirmou que o objetivo das medidas é estabelecer um controle do sistema financeiro ''melhor, mais inteligente e mais rígido''.

De acordo com o secretário do Tesouro, os Estados Unidos não contaram com ''as ferramentas adequadas'' para lidar com as instituições envolvidas com a turbulência financeira e, por isso, é necessário criar ''novas regras para o jogo''.

Medidas

As propostas do governo consistem em seis pontos principais, que foram listados por Geithner:

1 - conceder a uma única entidade do governo a autoridade de garantir a chamada ''estabilidade sistêmica'', controlando grandes instituições, mercados e atividades que poderiam causar problemas

2 - impor condições ''mais conservadoras'' para a concessão de empréstimos a instituições capazes de gerar riscos sistêmicos;

3 - exigir que fundos de investimentos privados, como hedge funds, se registrem junto à Comissão de Títulos e Câmbio americana (SEC, na sigla em inglês);

4 - estabelecer um modelo de fiscalização do mercado de derivativos e uma central de informações sobre este mercado, cuja autoridade primordial caberia ao governo;

5 - fazer com que a SEC imponha critérios rigorosos para que fundos de mercados financeiros possam reduzir os riscos representados por saques súbitos, capazes de desestabilizar o sistema bancário;

6 - oferecer mais poder para que o governo federal possa assumir o controle de complexas instituições financeiras, a exemplo do poder exercido sobre os bancos comerciais pela Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC, na sigla em inglês, a agência federal americana que tem como principal função a garantia de depósitos bancários).

As amplas propostas apresentadas pelo titular do Tesouro têm a missão de impedir a falta de fiscalização do governo sobre grandes instituições financeiras americanas, que teriam desempenhado um papel central na atual crise financeira do país.

As medidas apresentadas por Geithner nesta quinta deverão servir como ponto de partida para as discussões que serão realizadas no encontro do G20, no próximo dia 2 de abril, em Londres.