Bird reduz previsão de crescimento do Brasil para 0,5% em 2009

Mulheres observa anúncios de empregos no centro de São Paulo (AFP,13/3)
Image caption Economia brasileira deve crescer apenas 0,5% em 2009, segundo Bird.

O Banco Mundial (Bird) revisou para baixo as perspectivas de crescimento da economia brasileira e prevê que o país cresça apenas 0,5% neste ano, mas que conseguirá se recuperar em 2010, crescendo 2,3%.

Os dados constam da revisão do relatório Global Economic Outlook (Perspectivas Econômicas Globais, em tradução livre), divulgado pelo Bird nesta terça-feira.

A última edição do documento, datada de dezembro, estimava que o crescimento econômico brasileiro para 2009 seria de 2,8%.

Os dados relativos à economia global são ainda mais sombrios. O Bird afirma que o PIB global deverá se contrair em 1,7% neste ano, mas prevê uma recuperação para o ano que vem, quando a projeção é de um crescimento de 2,3%. A queda de 2009, de acordo com o documento, representa "o primeiro registro de declínio mundial de produção".

Leia também na BBC Brasil: OCDE prevê queda de 0,3% no PIB brasileiro em 2009

Emergentes O PIB dos países emergentes também sofrerá um baque, na avaliação do órgão, passando do índice de crescimento 5,8% em 2008 para 2,1% em 2009 - em contraste com a estimativa feita no relatório de dezembro, que era de 4,4% para este ano. De acordo com o Bird, duas grandes regiões sofrerão declínios: a América Latina e o Caribe e as nações em desenvolvimento da Europa e Ásia Central. Os latino-americanos e caribenhos devem sofrer uma contração de 0,6%, já o bloco formado por europeus e centro-asiáticos terá uma queda ainda mais significativa, de 2%. A queda na América Latina se deve, entre outros motivos, ao fato de que "muitos países têm fortes laços com o sistema financeiro americano e muitas companhias sentiram de imediato o impacto da contração do crédito", segundo o relatório. Países que possuem fortes laços comerciais com os Estados Unidos, como o México, afirma o Bird, estão compartilhando com o país a crise das montadoras e das indústrias americanas como um todo.

Além disso, outras nações da região também vêm sofrendo com o declínio das remessas enviadas por imigrantes residentes nos Estados Unidos, por conta da crise no setor de construção, que emprega muitos latino-americanos.

BRICs

Entre os países emergentes, a China terá disparado o melhor desempenho, ainda que este tenha ficado aquém da estimativa anterior feita pelo Bird. O relatório fala em um crescimento chinês de 6,5% para este ano e de 7,5% para 2010. A projeção de dezembro passado era de 7,5% em 2009 e 8,5% em 2010. As duas outras nações que constituem o bloco conhecido por BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China) terão, segundo a previsão do Banco Mundial, atuações contrastantes para este ano. A perspectiva de crescimento para a Índia é de 3,7% para 2009 e de 6,2% para o ano que vem.

Já no caso da Rússia, o relatório prevê um declínio econômico de 4,5% neste ano. A avaliação para 2010 é de que o país tenha crescimento zero.

Estados Unidos O Bird avalia que os Estados Unidos sofrerão uma queda ainda mais acentuada do que aquela prevista em seu documento anterior. Para este ano, o Banco Mundial prevê que a economia americana sofra uma retração de 2,4%. O país, no entanto, deve voltar a crescer a uma faixa de 2% no ano que vem.

No relatório do ano passado, o órgão estimava um declínio de 0,5% em 2009, mas já antevia um crescimento de 2% em 2010.

Notícias relacionadas