Terremoto na Itália assusta brasileiros

Moradores de Áquila abandonam suas casas para escapar do tremor
Image caption Moradores de Áquila abandonam suas casas para escapar do tremor

Evelina Di Colli, 44 anos, brasileira do Paraná, mora em Roseto degli Abruzzi, que está a uma hora de viagem de Áquila, a cidade mais atingida pelo terremoto que abalou o centro da Itália. Ela disse que foi acordada pelo marido no meio da noite e viu os lustres balançando.

"Quando deu três e meia da manhã vimos todos os lustres tremendo. Estou com dor nas costas até agora, porque quando vi já estava na escada, com meu marido e meu filho", disse à BBC Brasil.

Evelina mora há 15 anos na Itália. Em Roseto degli Abruzzi ela é presidente da associação Itália Brasil e ajuda imigrantes brasileiros a arrumar trabalho e os que são descendentes de italianos a obter a cidadania.

É a primeira vez que ela sente a terra tremer no apartamento do primeiro andar onde vive com o marido italiano, e o filho de oito anos. Ela confessa que ficou muito assustada mas que não foi o terremoto que a acordou.

"Foi meu marido que me acordou. Ele disse: Evelina, levanta que está tremendo tudo. O vizinho do lado pegou as crianças, colocou no carro e foi embora".

A primeira atitude da família de Evelina, assim que sentiram a terra tremer, foi sair de casa.

"Dizem que quando tem terremoto, o lugar mais seguro é a escada do prédio , então corremos para lá, aguardamos, vimos que tinha tranquilizado e voltamos para casa, não para dormir porque ninguém dorme, mas ficamos acompanhando pela televisão o que aconteceu ", disse.

Segundo o relato de Evelina, a cidade de Roseto degli Abruzzi não foi muito atingida pelo terremoto.

"Não sentimos danos de cair alguma coisa, foi mais o tremor mesmo, porque estamos na frente do mar e acredito que o mar faz tranquilizar esta parte, quando é mais interno é que cai tudo".

Durante o tremor de terra, todos os moradores, com medo, saíram para a rua, segundo ela, mas não houve feridos nem danos em sua cidade.

Sem estatística

Segundo informou Evelina, há cerca de 20 brasileiros morando em Roseto Degli Abruzzi . De acordo com ela, em toda a região montanhosa do Abruzzo seria grande o número de brasileiros embora não haja estatísticas a respeito.

"Muitos vem para pegar a cidadania italiana, depois, tem as famílias com filhos que decidem ficar morando aqui", disse.

Ricardo Bottin, 28 anos, de Toledo no Parana, mora há um ano em Roseto degli Abruzzi e conseguiu pegar a cidadania italiana justamente nesta segunda feira.

Descendente de italianos, atualmente ele está desempregado mas trabalhou na construção civil. Ricardo mora na sede da Associação Itália Brasil, junto com mais 4 brasileiros.

Ele disse que saiu de casa assim que sentiu a terra tremer.

"Deitei meia noite e meia. De madrugada senti um tremor, perguntei o que estava acontecendo, levantei, fui até a janela e teve outro tremor. Aí, sai da casa", disse à BBC Brasil.

Ricardo contou que é a primeira vez que ele sente um terremoto em sua vida e por isso achou que foi uma "experiência interessante"

"O terremoto não é uma coisa boa, mas para mim foi interessante porque nunca passei por isso".