Pelo menos 15 palestinos ficam feridos em confronto com colonos judeus na Cisjordânia

Você precisa da versão correta do Flash Player para ter acesso a este conteúdo

Baixar a versão correta

Executar formatos alternativos de arquivos multimídia


Pelo menos 15 palestinos ficaram feridos, um deles gravemente, em confrontos com colonos judeus nesta quarta-feira nas proximidades do assentamento judaico de Bat Ayin, na Cisjordânia.

Na semana passada, um adolescente israelense de 13 anos que vivia em Bat Ayin foi morto com um machado por um palestino.

Segundo fontes militares israelenses, um grupo de palestinos começou a jogar pedras no momento em que os colonos realizavam uma cerimônia religiosa que ocorre a cada 28 anos, no topo de uma colina.

Mas fontes palestinas discordam dessa versão e afirmam que os confrontos começaram quando colonos israelenses tentaram entrar à força na cidade palestina de Safa jogando pedras e dando tiros para o ar.

Segundo moradores de Safa, soldados israelenses chegaram logo depois e começaram a usar balas de borracha, bombas de gás lacrimogêneo e munição de verdade.

As forças israelenses afirmam que usaram "meios para dispersar a multidão" no início. Quando a situação ficou mais violenta, porém, os militares afirmam terem usado balas de verdade para atirar nas pernas de alguns dos palestinos que jogavam pedras.

Paramédicos que estavam no local disseram à BBC que um jovem de 20 anos estava e estado critico depois de ter sido atingido no pescoço.

De acordo com a correspondente da BBC no local Katya Adler, as tropas israelenses estavam tentando conter um grupo de jovens palestinos que estavam jogando pedras.

Adler afirma que soldados invadiram algumas casas e colocaram bandeiras de Israel nos telhados.

Assentamento

O assentamento de Bat Ayin fica entre as cidades de Hebron e Belém e abriga cerca de mil colonos israelenses.

Em 2002, três colonos de Bat Ayin foram condenados a longos períodos na prisão por tentar explodir uma escola para meninas palestinas.

Depois da morte do adolescente na semana passada, o novo governo de Israel, liderado pelo premiê Byniamin Netanyahu, disse que adotaria linha dura em termos de segurança na Cisjordânia e em outros locais.

Os assentamentos israelenses no território ocupado da Cisjordânia são considerados ilegais pelas leis internacionais, o que é contestado pelo governo de Israel.

A nova explosão de violência ocorre em meio a temores de que haja um choque de opiniões entre Israel e o governo do presidente americano, Barack Obama.

Obama vem ressaltando seu comprometimento com uma solução de dois Estados para o conflito entre Israel e palestinos. Netanyahu, porém, não apóia a criação de um Estado Palestino soberano.

O novo ministro do Exterior de Israel, o político de extrema-direita Avigdor Lieberman, já disse que as negociações de paz com os palestinos chegaram a "beco sem saída".

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.