Piratas sequestram mais uma embarcação americana

Arquivo
Image caption Piratas têm causado problemas na costa da Somália

Piratas somalis sequestraram um rebocador de navios americano no Golfo de Aden neste sábado, com dezesseis tripulantes a bordo - 10 deles italianos, segundo os primeiros relatos.

A embarcação estaria levando dois outros barcos no momento do ataque, mas as informações ainda não foram confirmadas pelos governos dos Estados Unidos e da Itália.

Mais cedo, outros piratas somalis, que mantêm o capitão americano Richard Phillips refém, disseram que tentativas de usar a força para resgatá-lo podem resultar em um "desastre".

O americano está em poder de quatro sequestradores em um bote salva-vidas a centenas de quilômetros da costa da Somália e navios da marinha dos Estados Unidos estão no local monitorando a situação.

Uma associação marítima regional afirmou que há novas tentativas de mediação, com o envio de um grupo de anciãos somalis para o local onde estão as embarcações, mas não há informação sobre o avanço destas conversas.

O capitão Phillips foi capturado na quarta-feira, depois que o navio que ele comandava, o Maersk Alabama, foi tomado pelos piratas quando se dirigia ao Quênia levando ajuda humanitária destinada à Somália e a Uganda. Segundo relatos, os sequestradores teriam pedido um resgate de dois milhões de dólares por sua libertação.

Image caption A embarcação do capitão Phillips foi capturada na 4ª feira

Phillips tentou escapar na sexta-feira pulando no mar e nadando em direção a um navio americano, mas foi recapturado. Nos Estados Unidos, a preocupação com o bem-estar do capitão é cada vez maior e o secretário de Defesa americano, Robert Gates, declarou que seu resgate é uma prioridade para o governo.

Especialistas do FBI, a polícia federal americana, estão ajudando nas negociações, mas, segundo analistas, o processo pode ser longo.

Morte

Na sexta-feira, uma operação de resgate realizada por tropas francesas em outra embarcação tomada por piratas na costa da Somália terminou com a morte de um refém e de dois sequestradores. Outras quatro pessoas, incluindo uma criança, foram libertados do iate Tanit, que havia sido capturado na semana passada.

O líder dos piratas que têm o capitão Phillips em seu poder teme que os americanos estejam planejando uma operação semelhante e disse que "truques" como os usados pelos franceses causariam um "desastre".

A Somália não tem um governo efetivo desde 1991, o que criou as condições para que os piratas ganhassem terreno na costa do país. Os sequestradores normalmente pedem resgates milionários para libertar as embarcações em seu poder.

Esforços para combater o crime não conseguiram erradicar o problema, já que as patrulhas marítimas internacionais têm de cobrir vastas áreas de oceano onde os piratas atuam.