Brasil fechará ano com crescimento saudável, diz Meirelles

Henrique Meirelles no Fórum Econômico no Rio
Image caption Meirelles lembrou que Brasil criou empregos nos últimos dois meses

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse, em entrevista à BBC Brasil, que o Brasil deverá fechar este ano com um "crescimento muito saudável na margem", referindo-se a uma recuperação no final de 2009, que deverá dar um impulso à economia em 2010.

Questionado sobre as previsões pessimistas para o crescimento brasileiro neste ano e as perspectivas para 2010, Meirelles afirmou que o último trimestre de 2008 apresentou um "declínio muito forte" no Produto Interno Bruto (PIB) do país, como resultado do agravamento da atual crise mundial, mas que a expectativa a partir de agora é de recuperação gradual.

"Esperamos ter uma recuperação", disse Meirelles, na quarta-feira, no Rio de Janeiro, onde participa do Fórum Econômico Mundial para a América Latina.

Segundo Meirelles, sem levar em consideração a média de 2009 contra a média de 2008, "o fato é que, na margem, nós devemos fechar 2009 com um crescimento muito saudável".

Esse desempenho, disse o presidente do Banco Central, permitirá ao país chegar a 2010 "provavelmente crescendo a uma taxa mais alta do que a maioria das pessoas espera".

Previsões

As últimas previsões sobre a economia brasileira apontam para retração em 2009. O mais recente "Boletim Focus", relatório com projeções do mercado divulgado pelo Banco Central na semana passada, prevê contração de 0,30% no PIB brasileiro em 2009, uma queda maior do que os 0,19% previstos no relatório anterior.

Ao afirmar que o Brasil está "no caminho de uma recuperação gradual na margem", Meirelles disse que o país já está criando empregos.

"O Brasil perdeu mais de meio milhão de empregos no auge da crise, mas criou 9 mil novos empregos em fevereiro e 34 mil empregos em março", afirmou.

O presidente do Banco Central voltou a afirmar que o Brasil entrou nesta crise mais forte do que em períodos anteriores, e que "vai sair desta crise mais forte do que antes".

Meirelles disse ainda que o fato de o Brasil, depois de ter pedido dinheiro emprestado ao Fundo Monetário Internacional (FMI) durante décadas, estar agora preparado para emprestar ao Fundo é "uma grande mudança simbólica para os brasileiros".

O Fórum Econômico Mundial para a América Latina prossegue nesta quinta-feira com discussões sobre como a região pode enfrentar a crise mundial.

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet