EUA aumentam pressão para Paquistão combater Talebã

Image caption O Talebã já controla cidades distantes 100km da capital

Os Estados Unidos subiram o tom de suas críticas ao Paquistão a respeito do combate ao Talebã, ao mesmo tempo em que os militantes chegam a uma área a cerca de 100 km da capital, Islamabad.

O secretário de Defesa, Robert Gates, disse nesta quinta-feira que é importante que parte da liderança paquistanesa compreenda a "ameaça existencial" representada pelo Talebã.

"Não apenas reconheça, mas tome as medidas necessárias para lidar com ela", disse ele.

Também nesta quinta-feira, a secretária de Estado, Hillary Clinton, disse a uma comissão parlamentar que "mudar mentalidades não é simples, mas creio existir uma percepção crescente de que a insurgência está chegando cada vez mais perto das cidades grandes e representa uma grande ameaça".

"Eles têm que agir", disse Clinton, ressaltando que não há mais espaço para o governo paquistanês fazer apenas promessas.

'Suíça paquistanesa'

No dia anterior, ela havia criticado o governo central do país por ter permitido, há algumas semanas, que a região semi-autônoma de Swat, fronteiriça com o Afeganistão, institua a lei religiosa islâmica, ou sharia. Clinton disse que o governo parecia ter "abdicado" desta região.

Correspondentes dizem que, ao ceder à uma antiga reivindicação do Talebã, o governo abriria caminho para o grupo usar o vale de Swat como base para ataques a outras regiões paquistanesas, além do vizinho Afeganistão.

Simultaneamente, parecem prosseguir os ataques aéreos na bela região montanhosa, conhecida como "a Suíça do Paquistão".

A polícia disse que sete crianças e duas mulheres morreram quando suas casas foram bombardeadas, mas não confirmou que as bombas foram lançadas pelos militares paquistaneses.

Image caption A região de Buner é cheia de verdes vales

O Exército afirmou que 11 militantes morreram em operações dos últimos três dias ao longo da fronteira com o Afeganistão.

Nova fronteira

Correspondentes dizem acreditar que a região de Buner, área também montanhosa localizada entre Islamabad e a Swat, será a nova fronteira da guerra entre as forças de segurança paquistanesas e o Talebã.

Militantes estariam patrulhando ruas e montando postos de controle nesta região, a apenas 100 km da capital.

Nesta semana, o governo paquistanês mandou cerca de 300 militares para combater os insurgentes na região.

Mas, nesta quinta-feira, um policial foi morto quando o comboio no qual viajava foi atacado por militantes em um vilarejo do distrito de Buner.

Dinheiro

O presidente americano, Barack Obama, pediu para o Congresso aprovar ajuda anual de US$ 1,5 bilhão ao Paquistão, ressaltando que a quantia seria atrelada a condições e progressos tangíveis no combate ao extremismo.

Nos últimos sete anos, os EUA enviaram cerca de US$ 12 bilhões em ajuda ao Paquistão, cerca de um terço da quantia em auxílio militar e o resto em benefícios econômicos.

A aliança com o país é considerada fundamental para o combate ao Talebã no Afeganistão, já indicado por Obama como o conflito mais importante envolvendo americanos no exterior, superando o Iraque.

Mergulhado em uma série crise econômica, o Paquistão depende da ajuda externa americana para não se tornar um país falido, apesar das amplamente impopulares operações americanas em regiões tribais, por causa do grande número de vítimas civis.

Notícias relacionadas