Jornalista americana presa no Irã 'inicia greve de fome'

Roxana Saberi (arquivo)
Image caption Roxana Saberi passou seis anos no Irã, estudando e escrevendo um livro

A jornalista iraniana-americana Roxana Saberi, condenada a oito anos de prisão por espionagem no Irã, teria iniciado uma greve de fome segundo o pai da jornalista.

Reza Saberi disse que sua filha o informou que parou de comer há cinco dias.

"Estou muito preocupado", disse Saberi à agência de notícias Reuters.

Roxana Saberi, de 31 anos, foi presa em janeiro e foi sentenciada a oito anos de prisão depois de um julgamento fechado que durou um dia, no início de abril, em Teerã.

O caso de Saberi ficou famoso e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se disse "profundamente decepcionado" com a condenação.

Obama e a família da jornalista afirmam que ela não é uma espiã.

Com nacionalidade iraniana e americana, Roxana Saberi passou seis anos no Irã estudando e escrevendo um livro.

Como jornalista freelancer, chegou a trabalhar para a BBC há três anos. Também contribuiu para a NPR, a rede pública de rádio dos Estados Unidos, e para o canal de TV americano Fox News.

Originalmente, Saberi foi acusada pelo crime de comprar álcool, considerado mais leve, e depois, de trabalhar como jornalista sem uma credencial válida.

Seu julgamento foi a portas fechadas na Corte Revolucionária do Irã.

O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad afirmou que a jornalista tem que ter o direito legal de se defender.

Ahmadinejad afirmou que os direitos de Saberi e do blogueiro iraniano-canadense Hossein Derakhshan, detido em novembro passado, não podem ser violados de forma alguma.

O pedido foi feito em uma carta enviada de seu gabinete à promotoria de Teerã, informou a mídia estatal, um dia depois de Saberi ter sido condenada.