ONU critica campanha israelense em Gaza

Image caption O uso militar da substância fósforo branco é polêmico

Um inquérito da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a campanha militar de Israel na Faixa de Gaza, realizada cerca de quatro meses atrás, faz críticas ao Exército israelense.

O documento divulgado nesta terça-feira considerou os militares de Israel culpados de seis entre nove casos estudados nos quais pessoas refugiadas em prédios da ONU foram mortas ou ficaram feridas.

Uma propriedade da ONU também foi danificada nestes ataques.

Militantes palestinos foram considerados culpados de atirar em direção a um prédio da ONU em uma ocasião.

Crimes de guerra

O documento rejeitou alegações israelenses de que militantes estariam atirando contra refugiados dentro da escola Fakhura. Pelo menos 40 pessoas morreram nos arredores do local, em decorrência de bombardeios israelenses.

Foram feitas críticas ainda a respeito do uso de fósforo branco, que causou a incineração do principal depósito de comida da ONU em Gaza, atitude que, segundo o documento, mostrou "falta de consideração" pela segurança de civis.

A ONU recomendou que sejam feitas novas investigações sobre possíveis crimes de guerra.

Israel considerou o relatório como "altamente parcial".

O Ministério das Relações Exteriores de Israel disse que a ONU ignorou evidência fornecida pelo país e se aliou ao grupo militante palestino Hamas.

Notícias relacionadas