Smurfs e bananas inspiram obras sobre queda do muro de Berlim

O projeto de monumento com Smurfs, de Wolfgang Strack
Image caption O projeto de monumento com Smurfs, de Wolfgang Strack

Uma instalação com os smurfs subindo em uma laje e a estátua de uma banana gigante estão entre as 532 ideias submetidas por artistas e que foram recusadas em um concurso para escolher um monumento à reunificação da Alemanha.

O governo alemão decidiu anular a concorrência para o "Nationales Freiheits- und Einheitsdenkmal" (Monumento Nacional pela Liberdade e Unidade, em tradução livre), afirmando que a qualidade dos trabalhos foi "insuficiente".

O júri decidiu pelo cancelamento da concorrência por ter considerado como "porcaria" 25% dos trabalhos. Segundo a imprensa alemã, alguns dos 19 membros da comissão de julgamento qualificaram trabalhos apresentados como "desastrosos" e "ingênuos".

Entre as propostas mais inusitadas, que abusam da criatividade e do bom humor, estiveram a imensa banana dourada (rara na Alemanha Oriental, a fruta representava no país o sonho de consumo capitalista), uma girafa e a festa dos smurfs, os pequenos duendes azuis personagens de desenho animado, comemorando a queda do Muro de Berlim, símbolo da Guerra Fria e da divisão da Alemanha, derrubado em 1989.

Image caption Projeto 'Banana', autoria de Hanns Malte Meyer

Críticos como a revista Stern, entretanto, acreditam ter sido "vergonhoso" cancelar por suposta falta que qualidade um concurso incluindo mais de 500 candidatos, entre eles arquitetos e artistas de renome, como Axel Schultes e Charlotte Frank, autores do projeto prédio da Chancelaria Federal, a sede do governo alemão.

"Acho estranho", disse à BBC Brasil a arquiteta brasileira Daniela Brasil, cujo trabalho "Jardins suspensos em Berlim", um jardim suspenso com formato do mapa da Alemanha, projetado em parceria com o arquiteto alemão Bernhard König, está entre as propostas exibidas na exposição.

"Acho que vai ser como o Monumento ao Holocausto, que levantou muita controvérsia e também só foi construído depois que o primeiro concurso público foi anulado", comparou.

Image caption Jardins suspensos em Berlim, autoria da brasileira Daniela Brasil, com Bernhard König

"Eles fazem esses concursos, mas, no final, nomeiam um arquiteto de renome, para trazer mais brilho à cidade", prevê.

Ela achou interessante que alguns colegas tenham optado por uma abordagem bem-humorada.

"O meu trabalho também tem um certo lado debochado", lembrou. "É um jardim em que pessoas sobem pelo leste e pelo oeste, se encontrando bem no alto", explica.

Depois que a primeira concorrência pública foi anulada, o governo alemão anunciou a realização de um segundo concurso, com arquitetos convidados.

As propostas estão sendo expostas no Kronprinzenpalais, centro de Berlim, até 31 de maio.