Alas políticas opostas promovem boicote à visita do papa a Israel

papa Bento 16 na chegada a Israel
Image caption Alguns setores da sociedade acham que visita pode ser benéfica

A visita do papa Bento 16 a Israel, iniciada nesta segunda-feira, está causando polêmica dentro de alas políticas opostas no país.

Tanto os políticos israelenses de direita quanto os de esquerda anunciaram que vão boicotar a visita do pontífice ao país, mas os motivos que alegam para justificar o protesto divergem profundamente.

Enquanto os políticos de direita chamam o papa de "antissemita e inimigo do povo judeu", os de esquerda o acusam de ser "ultraconservador e retrógrado, responsável por milhões de vítimas da Aids na África".

O deputado Nitzan Horowitz, do partido social-democrata Meretz, afirmou que pretende boicotar a visita "pois o papa traz uma mensagem de intolerância".

"O papa é responsável pelo sofrimento de milhões de pessoas, é um dos conservadores mais rígidos da igreja", afirmou.

"De todas as injustiças que cometeu, a pior consiste em se opor à distribuição de preservativos no terceiro mundo, levando ao sofrimento de um enorme número de pessoas na África, Ásia e América do Sul, que sofrem de Aids e outras doenças como resultado direto dessa atitude ignorante."

Candelabro

Já o deputado de extrema-direita Michael Ben Ari, do partido Ihud Leumi (União Nacional), chamou o papa de "antissemita, criminoso e inimigo do povo judeu".

O assessor parlamentar de Ben Ari, Itamar Ben Gvir, anunciou que vai entrar com um recurso na Suprema Corte de Justiça pedindo um mandato judicial que não permita a saída do papa Bento 16 do país a menos que o Vaticano devolva uma peça de um antigo templo sagrado para os judeus, o chamado Segundo Templo.

Segundo Ben Gvir, "o candelabro de ouro do Segundo Templo se encontra nos porões do Vaticano, depois que foi levado pelos Romanos quando destruíram o Templo" (no ano 70 d.C.)".

Ben Gvir exige que o papa "devolva o candelabro antes de sair do país".

O Rabino Shalom Wolfa, líder do grupo de direita Centro para a Salvação do Povo e da Terra, protestou contra o encontro programado dos Rabinos Chefes de Israel com o papa.

"Rabinos não devem se encontrar com o papa, isso contradiz o judaísmo", disse Wolfa. "O papa que, quando era jovem, fazia parte da Juventude de Hitler, não deve ser recebido com honras de representante da religião cristã."

O Movimento Islâmico em Israel, um dos maiores grupos políticos que representam a população árabe no país, convocou os árabes a não apoiarem a visita do pontífice, que "ofendeu o profeta Maomé".

Benefícios

O governo e alguns setores da sociedade, no entanto, apoiam a passagem de Bento 16 pela Terra Santa.

O ex-embaixador de Israel no Vaticano, Oden Ben Hur, afirmou que "Israel só tem a ganhar com a aproximação com o Vaticano".

Em entrevista à rádio estatal de Israel, Ben Hur disse que "é bom e importante que o papa venha ao país" porque, entre outros motivos, a visita pode incentivar a economia, aumentando o número de peregrinos na região.

Ainda segundo ele, uma elevação do nível das relações com o Vaticano pode ser benéfica para os interesses políticos de Israel.

O jornalista árabe cristão e cidadão israelense Faiz Abbas também considera a visita do papa positiva e acha que os muçulmanos devem dar-lhe as boas vindas.

"Discordo da posição de muçulmanos que se opõem à visita de Bento 16", afirmou Abbas.

"Ele é o líder do mundo cristão e é capaz de ajudar aos palestinos na Cisjordânia e em Jerusalém, e também aos cristãos, cuja população diminui na região de maneira que preocupa os chefes da Igreja", disse.

Notícias relacionadas