Exército do Paquistão entra em reduto do Talebã

Refugiado
Image caption Milhares de pessoas estão em acampamentos improvisados no sul da área de combates

O Exército do Paquistão anunciou neste sábado que seus soldados entraram em Mingora, a principal cidade do Vale do Swat controlada pelo Talebã, e mataram pelo menos 17 militantes em combates.

"Começaram os combates de rua", disse o general Athar Abbas. "É uma operação difícil porque nós temos que fazer buscas de casa em casa. Nós asseguramos algumas áreas da cidade."

O correspondente da BBC em Islamabad, Shaoib Hassan, disse que esta é a batalha mais importante travada até agora na ofensiva contra o Talebã no Vale do Swat, iniciada no dia 2 de maio, depois que um acordo de paz fracassou e os militantes passaram a ampliar sua área de influência no noroeste do Paquistão.

Se os militares tomarem a cidade, vão recuperar o controle do vale. O Exército paquistanês disse que destruiu a maior parte dos arsenais do Talebã. Abbas disse que Mingora está cercada e as rotas de suprimentos dos militantes foram interrompidas.

Moradores da cidade dizem, contudo, que o Talebã está apresentando uma forte resistência e ainda controla a Mingora.

Afeganistão

O Exército diz que 15 mil integrantes das forças de segurança lutam contra um total de 4 mil a 5 mil militantes. Fontes militares estimam que mais de mil militantes e 50 soldados morreram desde que a ofensiva começou.

O comandante militar americano, Almirante Michael Mullen, advertiu na sexta-feira que a concentração de tropas americanas no Afeganistão pode fazer com que os militantes do Talebã penetrem mais fundo no território paquistanês, desestabilizando o país.

Uma recente investigação da BBC sugeriu que menos da metade da Província da Fronteira Noroeste do Paquistão, onde fica o Vale do Swat, e das áreas tribais da fronteira do país com o Afeganistão, está sob controle pleno do governo paquistanês.

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou na sexta-feira um apelo por US$ 543 milhões para fornecer ajuda humanitária a mais de 1,6 milhão de pessoas que tiveram que abandonar suas casas por causa dos combates.