Cuba vai anunciar plano de austeridade para enfrentar crise global

Coco-táxis em Havana
Image caption Os coco-táxis são populares entre turistas em Cuba

O governo de Cuba anunciou que vai introduzir um programa de austeridade em junho para tentar compensar o impacto da crise financeira internacional e reduzir o consumo de energia no país.

As autoridades afirmam que se o país não poupar energia nos próximos meses, no verão do Hemisfério Norte, pode haver apagões na ilha.

Ainda não foram anunciados os detalhes das restrições ao uso de energia, mas elas podem limitar o uso de ar condicionado no trabalho e nas residências cubanas.

Poderá ainda ser reduzida a jornada de trabalho.

Até pouco tempo, a recessão global havia poupado a maioria dos cubanos. Não havia demissões em massa em empresas estatais, onde a maioria dos trabalhadores conservam o emprego pelo resto da vida.

Mas a vida está em vias de ficar mais difícil.

O preço do maior produto de exportação de Cuba - o níquel - caiu no mercado internacional, e a renda obtida com o turismo é menor que ante. Além disso, os danos causados por furacões no ano passado causaram prejuízos no valor de US$ 10 bilhões, e o embargo imposto pelos Estados Unidos continua afetando a economia cubana.

Liquidez

Cuba vive um grave problema de liquidez.

O governo está ficando sem dinheiro para pagar as importações. Nas lojas já começam a faltar vários produtos como leite, pasta de dente e fraldas.

Com o aumento da demanda, Cuba consumiu 40 mil toneladas a mais de combustível para gerar eletricidade nos primeiros três meses de 2009, de acordo com dados divulgados pelo jornal oficial Granma.

De acordo com o ministro da Economia e Planejamento de Cuba, Marino Murillo, a previsão de crescimento econômico para 2009, que era de 6%, agora mal deve chegar a 2%.

Várias empresas estrangeiras que operam em Cuba não estão podendo enviar dinheiro para o exterior ou tirar dinheiro de suas contas corporativas.

Notícias relacionadas