Governadora do Canadá come coração de foca

Michaelle Jean: 'delicioso'
Image caption Michaelle Jean: 'delicioso'

A governadora geral do Canadá, Michaelle Jean, ajudou a estripar uma foca e comeu o coração do animal, em um aparente ato de solidariedade com os caçadores de foca do país.

Jean usou uma tradicional faca inuit para ajudar a cortar o animal e depois comeu o pedaço de carne, dizendo que estava "delicioso", durante um festival em Ranking Inlet, no norte do país.

Centenas de inuits, comunidade indígena que antes era conhecida como esquimó, estavam presentes no festival, que ocorreu semanas depois de a União Europeia (UE) ter aprovado uma proibição de derivados de foca canadenses.

Quando jornalistas perguntaram se o ato de comer o coração da foca era uma resposta à UE, a governadora respondeu: "Tirem suas próprias conclusões".

Uma porta-voz da UE disse que o episódio foi "bizarro demais para ser levado em conta".

A governadora-geral do Canadá é a representante da Rainha Elizabeth 2ª (a chefe de Estado do Canadá) e exerce as funções de chefe de Estado no país. É a ela que o primeiro-ministro presta juramento ao tomar posse do governo, mas seu papel é basicamente simbólico.

Caça é essencial

O Parlamento europeu votou a favor da proibição aos produtos de foca canadenses em protesto contra os métodos de caça comercial de foca.

O povo inuit está isento da proibição, mas muitos temem que a medida tenha, inevitavelmente, efeito negativo sobre seu meio de vida.

As autoridades afirmam que a caça de focas é o principal meio de vida para cerca de 6 mil pescadores do Atlântico Norte.

O governo autorizou a caça de mais de 300 mil focas este ano, mas a indústria pesqueira afirma que apenas cerca de 65 mil focas vão ser mortas, já que a queda no preço da pele significa que haverá menos caçadores interessados nesta temporada.

Grupos de defesa dos direitos dos animais afirmam que o método usado pelos caçadores - que matam os bebês de foca a cacetadas - é "bárbaro".

A proibição votada na UE ainda precisa ser aceita pelos ministros europeus para entrar em vigor, mas a expectativa é de que seja imposta antes do início da temporada de caça de 2010.