Ásia

Paquistão culpa Talebã por ataque que matou 24 em Lahore

Você precisa da versão correta do Flash Player para ter acesso a este conteúdo

Baixar a versão correta

Executar formatos alternativos de arquivos multimídia

O Paquistão acusou militantes do Talebã de ter realizado o ataque que matou pelo menos 24 e feriu 200 pessoas nesta quarta-feira na cidade de Lahore, no leste paquistanês.

"Inimigos do Paquistão que querem desestabilizar o país estão vindo para cá após a derrota no (Vale do) Swat", disse o ministro do Interior, Rhman Malik.

O Exército paquistanês lançou na semana passada uma violenta campanha contra militantes na região tribal do Vale do Swat, fronteiriça com o Afeganistão e considerada um reduto do Talebã.

Os militares do país dizem esperar que a cidade principal da região, Mingora, esteja livre de militantes dentro de dois ou três dias.

O ataque

Segundo autoridades locais, no ataque desta quarta-feira homens armados abriram fogo contra guardas que faziam a segurança do complexo policial da cidade antes de detonar os explosivos, que destruíram por completo o edifício dos serviços de emergência da polícia.

"Quando alguns homens saíram do carro e começaram a atirar os guardas vieram de dentro do prédio retornando os disparos. E no meio do tiroteio, o carro explodiu", disse Sajjad Bhutta, membro do governo local.

Escritórios do Serviço de Inteligência paquistanês e carros estacionados nas proximidades também foram danificados. O número de vítimas deve subir.

Correspondentes dizem estar claro que o alvo do ataque era o Estado do Paquistão.

Violência recente

Lahore, próxima à fronteira com a Índia, não tinha um histórico de uma presença forte de grupos ligados aos insurgentes do Talebã.

Mas ataques recentes ocorridos na cidade também já haviam sido atribuídos ao grupo.

Em março, o time de críquete do Sri Lanka foi atacado em uma emboscada. No mesmo mês homens armados atacaram uma academia de polícia, matando oito pessoas.

O ataque desta quarta-feira foi condenado em várias partes do mundo, inclusive pelos Estados Unidos.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.