Israel rejeita pedido dos EUA para congelar assentamentos

Assentamento judaico na Cisjordânia
Image caption Mais de 500 mil pessoas vivem nos assentamentos na Cisjordânia

Israel rejeitou os pedidos americanos para o congelamento dos assentamentos judaicos na Cisjordânia e vai permitir a continuidade de obras nesses locais, segundo afirmou nesta quinta-feira um porta-voz do governo israelense.

Segundo o porta-voz Mark Regev, o futuro dos assentamentos judaicos na Cisjordânia deverá ser decidido somente quando forem feitas negociações de paz com os palestinos.

"Enquanto isso não acontece, temos que permitir que a vida normal continue nessas comunidades", afirmou.

As declarações israelenses são uma resposta ao pedido da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que disse na quarta-feira que não deve haver exceções sobre os pedidos do presidente Barack Obama para a interrupção da ampliação dos assentamentos.

Em declarações após um encontro com o ministro das Relações Exteriores do Egito, Hillary Clinton disse que Obama foi "muito claro" durante seu recente encontro com o premiê israelense Binyamin Netanyahu ao dizer que Israel deve congelar todos os assentamentos.

"Não alguns assentamentos, não postos avançados, não a exceções para o crescimento natural. Acreditamos que é do melhor interesse para os esforços de paz que nos comprometamos à interrupção da expansão dos assentamentos", afirmou a secretária de Estado.

Esta foi a primeira vez em vários anos que autoridades americanas expressam um pedido tão firme para o congelamento dos assentamentos nos territórios palestinos.

Os comentários de Hillary Clinton foram feitos poucas horas antes do encontro entre Obama e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, nesta quinta-feira na Casa Branca.

Crescimento natural

A rejeição ao congelamento dos assentamentos já havia sido expressa no domingo pelo próprio premiê israelense. Segundo Netanyahu, novos assentamentos estão proibidos, mas o governo deve permitir o crescimento natural das colônias já existentes.

"Não temos como dizer às pessoas que não tenham filhos ou que forcem os jovens a se mudar para longe de suas famílias", disse ele durante reunião de gabinete no domingo.

Netanyahu prometeu, porém, desativar postos avançados na Cisjordânia - pequenas colônias, algumas com poucas pessoas - que o próprio governo israelense considera ilegal.

"Cuidaremos deles, se possível por meio do diálogo", disse ele. "Não há dúvidas de que nos comprometemos a lidar com eles."

Obstáculos

A questão dos assentamentos judaicos na Cisjordânia é um dos maiores obstáculos que o presidente Barack Obama encontra para o reinício do processo de paz no Oriente Médio.

A Autoridade Nacional Palestina diz que descarta a retomada do diálogo com Israel a menos que o país congele as atividades nos assentamentos e remova todos os bloqueios nas entradas à Cisjordânia.

Abbas deve reiterar essas condições em seu encontro com Obama nesta quinta-feira.

Cerca de 500 mil colonos judeus vivem em mais de cem assentamentos construídos por Israel desde a ocupação da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental, em 1967.

Os assentamentos são considerados ilegais pela comunidade internacional, mas Israel rejeita essa determinação.

De acordo com o plano de paz para a região apresentado pelos Estados Unidos em 2003, Israel é obrigado a interromper todas as atividades relacionadas aos assentamentos, incluindo o crescimento natural.

O plano também exige que a Autoridade Nacional Palestina controle os militantes que promovem ataques contra israelenses.

Notícias relacionadas