Ameaça de atentado impediu ida de Chávez a El Salvador, diz chanceler

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, no especial de dez anos do programa de TV 'Alô, Presidente'
Image caption Especial de dez anos do programa 'Alô, Presidente' foi reduzido para dois dias

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, não compareceu à posse do novo presidente salvadorenho, Maurício Funes, na segunda-feira, porque o serviço de inteligência venezuelano teria detectado um plano para assassiná-lo.

A informação foi divulgada pelo Ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro. Segundo o ministro, grupos de "ultradireita" vinculados à oposição venezuelana seriam os possíveis responsáveis pelo plano.

"Graças a fontes de inteligência sobre grupos de ultradireita internacionais, foi possível identificar que havia um alto risco e se tomou a decisão correta de suspender a visita do presidente ", afirmou Maduro, no final da noite de segunda-feira, em entrevista a uma emissora de televisão estatal.

O chanceler venezuelano disse "não descartar que grupos com histórico de membros ativos da CIA (agência de inteligência dos Estados Unidos) e do terrorismo internacional estejam envolvidos".

Essa não é a primeira vez que o governo venezuelano denuncia supostos planos de atentados contra Chávez ao longo da última década.

Maduro disse que um novo encontro entre Chávez e Funes será "reprogramado para outra oportunidade".

Apesar de publicamente ter tentado manter distância do líder venezuelano durante a campanha eleitoral, Funes se reuniu com Chávez antes mesmo de receber a faixa presidencial, para negociar acordos de cooperação, em especial na área de energia, carro chefe da diplomacia da Venezuela na América Central e no Caribe.

Rumores

A ausência do presidente venezuelano nos últimos dias tem gerado rumores sobre seu estado de saúde. A última aparição pública de Chávez foi na sexta-feira.

O edição especial de dez anos do programa Alô, Presidente, inicialmente planejada para durar quatro dias, com término previsto para o domingo passado, teve seus dois últimos capítulos cancelados.

O Ministério de Comunicação alegou "problemas técnicos" para justificar a ausência de Chávez no programa.

Uma reportagem publicada nesta terça-feira no jornal El Universal afirma que Chávez teria tido "problemas estomacais". Segundo uma fonte anônima citada pelo diário, o presidente teria ingerido um alimento "em más condições de conservação".

Uma fonte da chancelaria venezuelana negou a versão do jornal. "O presidente está muito bem, trabalhando em Miraflores (sede do governo)", disse um funcionário do governo à BBC Brasil.

Notícias relacionadas