Busca por destroços do avião entra em nova fase, diz França

Busca pelo avião
Image caption Aviões vão realizar um mapeamento dos destroços

As operações de busca dos destroços do voo 447 da Air France entram nesta quarta-feira em uma segunda fase, que passará de uma operação aérea cobrindo uma ampla área sobre o Oceano Atlântico a uma operação naval em uma zona mais restrita, disse à BBC Brasil o porta-voz do Estado Maior das Forças Armadas da França, comandante Christophe Prazuck.

"Esta quarta-feira é um dia de transição", diz o militar francês. Segundo ele, as buscas aéreas continuam sendo efetuadas, mas essa etapa da operação "vai durar algumas horas".

A segunda fase, "que irá durar dias", consiste em recuperar, com navios, os destroços encontrados, que serão analisados em perícias técnicas.

Os três navios mercantes presentes na área, um francês e dois holandeses, e os da Marinha brasileira começam a recuperar os destroços do avião. Em breve, eles receberão o auxílio de dois navios militares franceses, que já estão a caminho do local.

Os navios Ventôse e Foudre devem chegar, respectivamente, na sexta-feira e no sábado à área das buscas. Além dessas duas embarcações, a França envia também o navio Pourquoi Pas, que está em missão nos Açores, e deve chegar em oito dias à região do acidente. Esse navio é equipado de um minissubmarino, o Nautile, e do robô "Victor", capazes de descer a 6 mil metros de profundidade e que serão utilizados para tentar localizar as caixas pretas.

Mapeamento

Para reforçar as operações aéreas, que continuam sendo efetuadas, a França enviou dois aviões Atlantique 2 e um Falcon 50, além de um avião-radar Awac, que vão realizar, nesta quarta-feira, um mapeamento dos destroços para tentar determinar o local do acidente.

Após a fase de recuperação dos destroços, que levará dias, a próxima etapa será a de encontrar as caixas-pretas do voo 447 da Air France.

"A localização das caixas-pretas pode levar semanas", afirma Prazuck. Mas um responsável do Escritório de Investigações Áreas da França (BEA, na sigla em francês), que realiza investigações sobre acidentes da aviação civil, reconheceu, nesta quarta-feira, "que as caixas-pretas podem nunca ser encontradas".

Leia mais: Caixas-pretas podem não ser recuperadas, diz investigador

Nesta quarta-feira o Estado Maior das Forças Armadas da França confirmou que "não há dúvidas de que os detroços encontrados são do A330 da Air France".

Prazuck disse à BBC que essa declaração foi feita "em função dos elementos fornecidos pelas autoridades brasileiras em relação ao tipo dos destroços e sua localização em relação à área prevista do acidente".

Mas ele afirma que uma "confirmação formal", após análises técnicas, ainda é necessária.