Gravação atribuída a Bin Laden critica Obama e ameaça EUA

Osama Bin Laden (arquivo)
Image caption Bin Laden criticou Obama e George W. Bush

Uma gravação atribuída ao líder da organização Al-Qaeda, Osama Bin Laden, divulgada nesta quarta-feira, acusa o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de plantar as sementes do "ódio e da vingança" contra seu país no mundo islâmico e diz que os americanos devem se preparar para as consequências.

A gravação, cuja autenticidade não foi comprovada independentemente, foi entregue ao canal de televisão árabe Al-Jazeera.

A mensagem foi divulgada pela Al-Jazeera no mesmo dia em que Obama chegou à Arábia Saudita para o início de sua visita pelo Oriente Médio, para tentar melhorar as relações dos Estados Unidos com os países muçulmanos.

No dia anterior, outra mensagem atribuída ao número 2 da Al-Qaeda, o egípcio Ayman al-Zawahri, pedia aos egípcios que não se deixassem seduzir pelas palavras "polidas" de Obama durante o discurso que o presidente americano fará no Cairo nesta semana.

Paquistão

A gravação afirma que o presidente Obama inflamou o ódio pelos Estados Unidos ao ordenar que o Paquistão enfrentasse os militantes no vale de Swat, noroeste do Paquistão, e proibisse a imposição da lei islâmica na região.

Segundo a voz atribuída a Bin Laden, a pressão dos Estados Unidos levou a uma campanha de "morte, combates, bombardeios e destruição" que levou ao êxodo de milhões de muçulmanos do vale de Swat.

A gravação acusa ainda Obama de seguir os passos de George W. Bush e suas políticas no Paquistão que teriam aumentado a "hostilidade" dos muçulmanos.

A última gravação atribuída a Bin Laden havia sido divulgada em março, quando o líder da Al Qaeda acusou líderes islâmicos moderados de se aliarem ao ocidente contra os muçulmanos.