EUA divulgam 'por engano' relatório com informações nucleares

Instalação em Los Alamos, Novo México, uma das listadas no relatório
Image caption Instalação em Los Alamos, Novo México, uma das listadas no relatório

O governo americano divulgou por engano um detalhado relatório contendo informações sobre centenas de instalações militares do país.

O relatório, classificado como "altamente confidencial", foi publicado na internet e removido depois que a gafe foi revelada pelo jornal The New York Times - que por sua vez obteve a informação quando o site especializado em inteligência Secrecy News trouxe a notícia.

Segundo o NYT, o documento de 266 páginas, em cujas páginas se lê "altamente confidencial", foi elaborado para ser encaminhado à Agência Internacional de Energia Atômica da ONU (AIEA), o órgão que se encarrega de inspeções nucleares. Enviado ao Congresso para revisão, acabou na internet.

Mas a reportagem observa que o documento "não contém informações militares sobre o estoque de armas nucleares da nação, nem sobre as instalações e programas que guardam tais armas".

"Em vez disso, apresenta o que parece ser uma listagem exaustiva dos locais que compõem o complexo nuclear civil, que se estende de costa a costa e inclui reatores nucleares e locais altamente confidenciais em laboratórios de armas."

Especialistas ouvidos pelo jornal se dividiram quanto à importância do engano. Um deles minimizou o fato, afirmando que parte das informações mais sensíveis já é pública. Outro afirmou que as informações poderiam prover informações valiosas a terroristas interessados em se apoderar de material nuclear.

Em uma carta enviada junto com o documento ao Congresso, o presidente americano, Barack Obama, afirma que as informações são "sensíveis mas não classificadas", o que não as caracterizaria como absolutamente sigilosas.