Argentina localiza suspeito de falso alerta de bomba em aeronave da Air France

Passageiros fazem check-in no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, na última segunda-feira (AP, 1/6)
Image caption Autoridades descartam relação com acidente no Brasil

A Justiça Federal da Argentina anunciou, nesta segunda-feira, ter localizado o autor de um falso alerta de bomba em uma aeronave da Air France que partiu no último dia 27 de maio de Buenos Aires com destino a Paris.

O suspeito teria ligado para um escritório da Air France em Buenos Aires fazendo o falso alerta, apenas quatro dias antes de uma outra aeronave da empresa, o voo AF 447, ter sofrido um acidente em um voo entre Rio de Janeiro e Paris.

A informação sobre a localização do autor do telefonema, sua prisão na sexta-feira (5) e sua libertação no dia seguinte, foi divulgada somente nesta segunda-feira e confirmada à BBC Brasil por assessores do juiz federal Cláudio Bonadío, responsável pelo caso. As mesmas fontes descartaram a possibilidade de que o autor do telefonema possa estar vinculado, de alguma forma, ao acidente no Brasil.

"Ficamos com a impressão de que foi uma coincidência", afirmaram.

De acordo com a Justiça Federal argentina, o autor da ligação sobre a falsa bomba seria Alfredo Villarroel, um ex-empregado da Air France.

Leia também na BBC Brasil: Voo da Air France na Argentina recebeu alerta falso de bomba na semana passada

Ex-funcionário

Villarroel teria ligado de seu próprio telefone celular, o que teria facilitado a sua localização no município de Florencio Varela, na grande Buenos Aires, segundo a Justiça argentina.

O suspeito trabalhava na parte burocrática da Air France na capital argentina e foi demitido em 2006. Desde então, trava uma disputa judicial com a empresa em Buenos Aires. Apesar de ter sido liberado no sábado, ele responde a processo por "intimidação pública" por ter dado um telefonema anônimo que "tirou a tranquilidade" de algumas pessoas, segundo assessores de Bonadío.

Caso condenado, Villarroel pode pegar pena de dois a seis anos de prisão.

Após a ligação em que o suspeito afirmava haver uma bomba na aeronave, empregados da Air France e agentes argentinos realizaram uma varredura no avião, sem nada encontrar. A aeronave decolou para Paris no final da tarde daquele mesmo dia.

Como nada foi encontrado, segundo os investigadores, os passageiros nem chegaram a ser informados sobre a suspeita de bomba.

Notícias relacionadas