Embaixador francês viaja ao Brasil para encontrar famílias de vítimas

Busca por destroços e vítimas do voo AF 447
Image caption Embaixador vai acompanhar identificação de corpos resgatados

O embaixador francês encarregado dos contatos com as famílias das vítimas do voo 447 da Air France, Pierre-Jean Vandoorne, viaja nesta sexta-feira ao Brasil para encontrar os parentes dos passageiros. Vandoorne vai se reunir com representantes brasileiros para acompanhar o processo de identificação dos corpos resgatados.

Vandoorne foi designado para a função no último final de semana pelo primeiro-ministro francês e é encarregado dos contatos com as famílias das 228 vítimas do acidente, que representam 32 nacionalidades.

O embaixador encontrará primeiro, neste sábado, no Rio de Janeiro, as famílias das vítimas.

Depois, irá a Recife para obter informações sobre a identificação dos corpos e também se reunirá com autoridades navais e militares para obter maiores detalhes sobre as operações de busca. Ele também irá a Brasília para se encontrar com o embaixador da França no Brasil.

Indenizações

Vandoorne afirmou que deve ficar no Brasil até a próxima quarta-feira.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, ele afirmou que, até o momento, as famílias das vítimas ainda não abordaram a questão das indenizações do acidente.

"A preocupação maior neste momento é encontrar os corpos. Há alguns procedimentos, como atestados que as pessoas estavam a bordo do avião, que estamos providenciando para que as famílias possam dar continuidade à vida diária. Mas ninguém discutiu por enquanto as indenizações", disse.

Vandoorne foi embaixador da França na Venezuela na época do acidente com o avião da West Caribbean, em 2005, que matou 160 pessoas, sendo 152 franceses da Martinica, um departamento ultramarino da França.

Cooperação

O embaixador se encontrou na quinta-feira em Paris com representantes do governo brasileiro e disse ter achado interessante a maneira como o Brasil lidou com os contatos dos familiares das vítimas do acidente com o avião da TAM em São Paulo, em 2007.

Vandoorne afirmou que isso poderia servir como exemplo no caso atual, mas não deu maiores detalhes sobre o assunto.

Durante um encontro em Paris, na quinta-feira, o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, discutiu com o chanceler francês, Bernard Kouchner, a cooperação "que vem sendo feita com muito sucesso" entre os dois países nesse caso.

"Não ignoramos que essas situações que envolvem tragédias pessoais e familiares são temas difíceis. Vão surgir problemas de natureza jurídica e de outros tipos", disse Amorim nesta sexta-feira, em Paris.

Notícias relacionadas