Marinha francesa captou sinais da caixa-preta, diz 'Le Monde'

Nautile (Foto: IFREMER)
Image caption A França enviou o submarino Nautile para ajudar a procurar as caixas pretas (Foto: IFREMER)

A Marinha da França teria captado sinais das balizas das caixas-pretas do voo 447 da Air France, de acordo com informações divulgadas nesta terça-feira pelo jornal Le Monde. As balizas que emitem os sinais sonoros para permitir a localização das caixas pretas têm o tamanho de uma pilha grande e são acopladas às caixas-pretas.

O minissubmarino Nautile, do Instituto Francês de Pesquisas Marítimas, já teria mergulhado na segunda-feira para tentar encontrar as duas caixas-pretas do Airbus A330, guiado pelos "fracos" sinais emitidos pelas balizas, afirma o jornal francês.

O Nautile, normalmente operado por dois pilotos e um observador, é equipado com braços motores e pinças.

Uma porta-voz do BEA, órgão francês que investiga as causas do acidente, disse nesta terça-feira à BBC Brasil que “as caixas-pretas não foram localizadas” e afirmou que “as equipes de busca verificam todos os sons que são captados”, sem confirmar as informações do jornal Le Monde nem dar maiores detalhes sobre o assunto.

O BEA informou que fará um comunicado “tão logo tenha uma informação precisa”.

A companhia aérea Air France, contatada pela BBC Brasil, também não confirmou a informação.

Difícil acesso

O submarino nuclear francês Émeraude, equipado com potentes sonares, patrulha desde o dia 10 de junho uma área de buscas em um raio de 80 quilômetros.

A busca pelas caixas-pretas é feita em uma área com relevo montanhoso e de difícil acesso, segundo as autoridades francesas.

Os sinais das balizas são emitidos por no mínimo 30 dias, de acordo com o BEA. Como esse é o prazo tido como certo para que as balizas continuem emitindo os sinais, as autoridades francesas preferem considerar que dispõem de 30 dias para poder captar os sinais e tentar localizar as caixas-pretas.

O BEA também já havia informado, há cerca de duas semanas, que não há nenhuma garantia de que as balizas estejam afixadas às caixas pretas. Elas podem ter se separado das caixas pretas com o impacto causado no momento da queda no oceano.

Como o avião desapareceu no final da noite de 31 de maio, as balizas continuarão certamente emitindo sinais até o final deste mês. Após essa data, não é garantido que os sinais ainda sejam emitidos.

Os aviões possuem duas caixas-pretas. Uma delas, o gravador de voz (Voice Recorder) grava os últimos 30 minutos das conversas dos pilotos e também o som dos motores e comandos em uso.

A segunda caixa-preta grava os dados do voo (Fly Data Recorder). Ela grava informações das últimas 25 horas sobre variações de velocidade e de altitude, indicação da direção e ângulo de subida e descida da aeronave, entre outras.

Corpos

O Comando da Marinha e o Comando da Aeronáutica informaram na segunda-feira em nota que continuam sendo avistados possíveis destroços do Airbus da Air France a cerca de 1,1 mil quilômetros a nordeste de Fernando de Noronha, mas nenhum novo corpo de vítimas do acidente que matou 228 pessoas.

As autoridades identificaram os primeiros 11 dos 50 corpos resgatados no mar. Dez pertenciam a brasileiros e um a um estrangeiro.

Segundo a nota, completadas três semanas das operações de buscas, as aeronaves voaram cerca de 1.350 horas, cobrindo uma área de 320 mil km quadrados, correspondente a mais de duas vezes a dimensão do estado do Ceará.

Não houve alteração na quantidade de navios envolvidos nas buscas, porém o efetivo de militares da Marinha subiu para 885, aumentando para 1.100 o número de envolvidos na operação, conclui a declaração.

Notícias relacionadas