Gripe suína deixa Bariloche em apreensão

Médicos em hospital da província de Buenos Aires
Image caption Médicos em hospital da província de Buenos Aires

Às vésperas do início da temporada de julho, a mais lucrativa do ano, autoridades, hotéis e agências de viagens de Bariloche, na Argentina, vivem a apreensão com o potencial impacto negativo do medo da gripe suína sobre os negócios.

A preocupação cresceu depois da recomendação feita nesta semana pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, para que os brasileiros "adiem" as viagens para a Argentina e o Chile, países que têm o maior número de casos da doença na região.

"Já tivemos vários cancelamentos para julho. E isso porque uma declaração gerou uma paranoia que não faz sentido”, disse Matias López, da agência de turismo Huala.

Antes da recomendação de Temporão, a cidade esperava receber 60 mil brasileiros em cerca de 200 voos. O Itamaraty chegou a montar um consulado temporário na cidade para atender os brasileiros.

Agora, ninguém se arrisca a dizer se as previsões vão se confirmar.

"O anúncio do governo brasileiro foi um choque, uma catástrofe pra gente. Muita gente ligou do Brasil, sem parar, para saber o que estava acontecendo realmente. Alguns poucos cancelaram, mas somos otimistas de que será temporada boa, assim mesmo", disse Nora Espector, gerente de operações do hotel Llao, Llao, cuja clientela no inverno é 60% composta de brasileiros.

Movimento normal

Por enquanto, porém, o movimento na cidade está normal, segundo os empresários ouvidos pela BBC Brasil.

"Agora mesmo temos mais de 300 brasileiros aqui para um torneio de pôquer”, disse Oscar Souto, gerente do Hotel Panamericano, onde os brasileiros respondem por 70% da clientela desta época do ano.

De qualquer forma, a prefeitura da cidade está enviando uma delegação à São Paulo para tentar convencer os potenciais clientes de que a cidade ainda não foi afetada pela epidemia e que estaria preparada para lidar com emergências.

"Bariloche é uma cidade onde a vida das pessoas não foi afetada por este vírus (N1H1). E todo o nosso sistema foi preparado para qualquer urgência. O sistema de saúde, os hotéis, todos. E os cinco acessos à cidade estão equipados com vigilância, e escaners, para detectar os casos da gripe suína", disse à BBC Brasil o prefeito Marcelo Cascón.

As autoridades locais confirmaram que recentemente foram confirmados apenas dois casos da gripe suína na cidade e que as vítimas se cuidaram em casa e passam bem. Era aguardado ainda o resultado do exame de um brasileiro, isolado num hotel da cidade.