Deputados dos EUA aprovam legislação ambiental de Obama

Barack Obama (arquivo)
Image caption O aquecimento global foi um dos pontos importantes da campanha de Obama

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta sexta-feira um projeto de lei ambiental que visa reduzir as emissões de gases de efeito estufa do país.

A legislação foi aprovada com uma pequena vantagem, 219 votos a favor e 212 contra, e visa impor restrições à poluição no país e aplicar princípios de mercado para tentar enfrentar o aquecimento global.

O objetivo é cortar as emissões (tendo como base o que foi registrado em 2005) em 17% até 2020, introduzir um sistema de comércio de créditos de carbono e forçar a mudança do uso de combustíveis fósseis para fontes renováveis.

O projeto de lei agora precisa ser aprovado pelo Senado americano antes de se transformar em lei e muitos esperam outra batalha difícil para esta aprovação.

O presidente americano Barack Obama afirmou que a Câmara dos Representantes tomou uma "medida histórica" com a aprovação da legislação.

"Ao criar um sistema de incentivo à energia limpa, esta legislação faz um elogio às nossas ações anteriores para aumentar os padrões de eficiência dos automóveis, para dobrar nossa capacidade de geração de eletricidade de fontes como vento e sol e para fazer novos investimentos na pesquisa e desenvolvimento de fontes renováveis de energia."

"É um passo ousado e necessário que traz a promessa de criação de novas indústrias e milhões de novos empregos, diminuindo nossa perigosa dependência do petróleo estrangeiro", afirmou.

Sessão longa

De acordo com o correspondente da BBC em Washington Jon Donnison a sessão na Câmara dos Representantes para a aprovação de um dos pontos importantes da pauta de Obama foi longa e agitada.

Os partidários da nova legislação afirmam que ela vai criar uma nova indústria "verde", aumentando empregos e estimulando a inovação. Além de reduzir a dependência americana do petróleo importado.

Mas, os que são contra a nova lei, republicanos e democratas, afirmam que o desemprego vai aumentar nos Estados Unidos e o impostos vão aumentar.

O líder da minoria republicana na Câmara dos Representantes, John Boehner, afirmou que o custo da energia vai aumentar e chamou a legislação de "maior matadora de empregos que já passou por esta casa".

A batalha agora vai para o Senado onde, segundo correspondentes, ainda não se sabe quando será debatida.