Entretenimento

Médico de Michael Jackson é entrevistado pela polícia

Conrad Murray

Conrad Murray foi entrevistado durante três horas pela polícia de Los Angeles.

A polícia de Los Angeles disse neste domingo que realizou uma "extensa entrevista" com o médico do cantor Michael Jackson, Conrad Murray.

O médico, que estava com o cantor quando ele ficou inconsciente na quinta-feira e teria desaparecido logo depois, forneceu informações que vão ajudar nas investigações sobre a causa da morte, ainda segundo a polícia.

Uma porta-voz de Murray disse que o médico foi entrevistado durante três horas no sábado, mas insistiu que ele não é suspeito no caso.

Miranda Sevcik disse que o médico "ajudou a identificar as circunstâncias cercando a morte do ícone do pop e esclarecer algumas inconsistências".

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

"Investigadores disseram que o médico não é de nenhuma forma um suspeito e permanece sendo uma testemunha dessa tragédia", disse ela.

Investigações

A porta-voz afirmou ainda que Murray "tem sentimentos tão profundos sobre sua relação com Michael Jackson que está fazendo qualquer coisa que puder fazer para ajudar essa investigação a ter uma resolução".

Ela afirmou que o médico acompanhou o cantor na ambulância, ficou horas no hospital consolando a família Jackson e permanecerá em Los Angeles para ajudar com as investigações policiais.

Murray havia sido contratado por Michael Jackson em maio, para acompanhar as preparações do cantor para enfrentar a maratona de 50 shows planejados para Londres, em julho.

Há relatos de que o médico, que tem 51 anos e possui consultórios em Las Vegas e Houston, teria tentado ressuscitar o cantor até que os paramédicos chegassem ao local.

Perguntas

No sábado, o pastor Jesse Jackson, amigo da família, disse que os parentes do cantor deverão pedir uma autópsia independente para investigar a causa de sua morte.

O pastor e ativista do movimento negro americano disse em entrevista à rede americana de TV ABC que a família de Michael Jackson estaria frustrada com a quantidade de perguntas ainda sem resposta em relação à morte do cantor.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Para Jesse Jackson, que apesar do sobrenome não tem parentesco com o cantor, a atitude do médico levanta suspeitas.

"Quando esse médico veio? O que ele fez? Ele deu uma injeção, e se deu, de que?", questionou. "Sua ausência (do médico) levanta questões substanciais que não vão sumir enquanto não forem respondidas."

Segundo ele, a família do cantor tem suspeitas sobre Murray. "E eles têm uma verdadeira razão para ter suspeitas, porque qualquer outro médico diria: 'Isso é o que aconteceu na última hora de sua vida e eu estava lá. Eu dei a ele uma medicação'", afirmou o pastor.

Após a autópsia no corpo do cantor, na sexta-feira, investigadores disseram que não há indícios de que a morte de Michael Jackson tenha sido um crime, mas não determinaram qual a causa da morte, dizendo que os exames de toxicologia demorarão semanas para ficar prontos.

Um porta-voz dos investigadores disse que o cantor havia tomado "algum medicamento", sem especificar qual.

Relatos não confirmados dizem que Michael Jackson, que tinha 50 anos, estava tomando uma dose diária de Demerol, um forte analgésico.


BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.