Encontrado laboratório gigante de cocaína na Bolívia

Fábrica de cocaína
Image caption Governo afirma que foi descoberta mais importante na luta contra drogas

Uma laboratório gigantesco de processamento de cocaína, com capacidade para produzir até 100 quilos da droga por dia e três toneladas por mês, foi descoberta na área rural do departamento (Estado) de Santa Cruz, na Bolívia.

O governo de Evo Morales informou que esta foi a maior descoberta na história da luta contra o narcotráfico no país e chamou a operação de “o golpe mais importante”, segundo disse nesta segunda-feira o ministro de Governo, Alfredo Rada, em uma conferência de imprensa em La Paz.

Segundo Rada, o laboratório teria custado US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 3 milhões) e a propriedade onde ela está localizada vale cerca de US$ 4 milhões (cerca de R$ 8 milhões).

Segundo o governo, este é o quarto laboratório com grande capacidade de processamento de drogas encontrada neste ano na região sul da Bolívia.

Levando-se em conta que as instalações teriam sido erguidas há cerca de um ano, o governo se pergunta por que o DEA (a agência anti-drogas americana) não encontrou esses laboratórios.

“Onde estava o DEA?”

“Como é possível que toda essa infra-estrutura do narcotráfico, que estava instalada e funcionando há um ano na Bolívia, não tenha sido detectada pelos serviços especializados do DEA na Bolívia?”, perguntou o ministro Rada.

Em novembro passado, o presidente Evo Morales suspendeu as atividades do DEA no país, acusando seus funcionários de conspirar contra seu governo.

Na operação em que se descobriu olaboratório, foram presos cinco colombianos. Segundo o comandante da Força Especial de Luta Contra o Narcotráfico (FELCN, na sigla em espanhol), Oscar Nina, outros colombianos foram presos nas descobertas anteriores.

O ministro Rada destacou que a tecnologia usada nesses laboratórios veio da Colômbia, mas descartou a presença de cartéis na Bolívia.

Maior potencial de produção

As apreensões de cocaína aumentaram na Bolívia nos últimos meses o que, segundo o chefe da agência anti-drogas, se deve à eficiência de seus funcionários.

No entanto, o último relatório da ONU sobre drogas indica que a Bolívia aumentou em 9% seu potencial para produzir cocaína e que as plantações de coca – matéria prima da cocaína – aumentaram em 6%.

Em 2007, a Bolívia tinha potencial para produzir 104 toneladas de cocaína por ano, mas em 2008 este potencial aumentou para 113 toneladas.

No ano passado, foram confiscadas 25 toneladas de cocaína na Bolívia, e entre janeiro e maio deste ano, já foram apreendidas 12 toneladas.

O comandante Nina afirma que grande parte da droga apreendida vem do Peru, já que a Bolívia, além de ser terceiro maior país produtor de coca e cocaína do mundo, também está na rota do tráfico de drogas vindas de outros países.

Notícias relacionadas