União Europeia suspende ajuda de US$ 92 milhões a Honduras

Image caption Muitos países consideram Zelaya o líder legítimo de Honduras.

A União Europeia anunciou nesta segunda-feira a suspensão de cerca de US$ 92 milhões em ajuda para Honduras em retaliação à deposição do presidente Manuel Zelaya, ocorrida em 28 de junho.

“Tendo em vista as circunstâncias, tomei a difícil decisão de suspender toda a ajuda orçamentária”, disse a comissária de Relações Internacionais do bloco, Benita Ferrero-Waldner.

“Apelo aos dois lados para que evitem qualquer ação ou declaração que possa aumentar ainda mais as tensões e tornar a possibilidade de solução mais difícil.”

No fim de semana, fracassou uma nova tentativa de superar a crise em Honduras, mediada pelo presidente da Costa Rica, Oscar Arias.

O governo de facto do país centro-americano continua se recusando a volta de Zelaya ao poder.

Arias disse que Honduras estaria a um passo da guerra civil e pediu por novas negociações em 72 horas.

Leia mais na BBC Brasil: Negociações sobre crise em Honduras terminam sem acordo

Crise

O governo interino atual, liderado por Roberto Micheletti, diz que ele será preso se voltar ao país.

Image caption Conflitos deixaram pelo menos um morto em julho

Tanto Zelaya como Micheletti pertencem ao mesmo partido, o Liberal. Seu presidente, Carlos Eduardo Reyna, disse que Zelaya pretende voltar a Honduras nesta sexta-feira.

Simpatizantes de Zelaya disseram que vão intensificar os protestos por sua volta e que planejam uma greve geral para a quinta-feira e sexta-feira.

Leia também: Após fracasso de negociações, partidários de Zelaya prometem 'resistência' em Honduras

Nenhum país reconheceu o governo interino de Honduras e tanto os Estados Unidos como a ONU e a OEA afirmaram reconhecer Zelaya como o presidente legítimo do país.

Uma tentativa fracassada de regresso de Zelaya a Honduras, a bordo de um avião emprestado pelo presidente venezuelano Hugo Chávez, no dia 5 de julho, deflagrou choques entre soldados e milhares de seus simpatizantes, deixando pelo menos um morto e dezenas de feridos.

Muitos temem novos episódios de violência se Zelaya tentar voltar novamente ao país.

Notícias relacionadas