Golfinho brincalhão causa pânico em banhista na Nova Zelândia

O golfinho Moko (Foto: Departamento de Conservação da Nova Zelândia)
Image caption Moradores dizem que Moko se sente solitário e entediado no inverno

Um golfinho brincalhão levou uma banhista a entrar em pânico na Nova Zelândia, ao tentar fazê-la permanecer mais tempo no mar brincando.

Ambos estavam brincando nas águas da praia de Mahia, no norte da ilha. Passado certo tempo, cansada e com frio, a mulher decidiu sair da água.

Entretanto, o animalzinho não queria parar de brincar e fez de tudo para que ela não voltasse à praia, ela contou, após o episódio.

Frequentadores de um café perto do local escutaram os gritos da banhista por ajuda e arrumaram um barco para resgatá-la. Encontraram-na agarrada a uma bóia.

A mulher, que preferiu permanecer anônima, disse que em nenhum momento o golfinho pareceu ameaçador.

"Eu fui nadar sozinha um tanto tarde, o que provavelmente não foi a decisão mais sábia", afirmou ela ao jornal local <i>Gisborne Herald</i>.

"Brincamos por um tempo, mas quando eu quis voltar ele quis continuar brincando. Eu estava exausta e entrei em pânico."

Moko, o golfinho nariz-de-garrafa do episódio, é um conhecido mascote da área. Ele ganhou fama mundial em março do ano passado ao salvar duas baleias encalhadas na praia. Foi visto guiando os dois outros mamíferos, mãe e filha, ao longo de um estreito canal de água até um local seguro.

Durante o verão, centenas de banhistas se divertem brincando com ele. Mas no inverno, quando a temperatura beira zero graus nas águas do norte da Nova Zelândia, apenas uns poucos se atrevem a encarar o mar vestindo roupas térmicas.

Moradores acreditam que na estação fria Moko se sente solitário e entediado.

Cientistas já expressaram preocupação com o mamífero, que tem cicatrizes causadas por barcos e por um arpão. Segundo eles, de 30 golfinhos "solitários" no mundo, 14 já foram machucados ou morreram como resultado da interação com os seres humanos.