Cuba está aberta a diálogo com EUA, mas socialismo fica, diz Raúl Castro

Raúl Castro em discurso na Assembleia Nacional (1/8/09)
Image caption Castro lembrou que o embargo econômico dos EUA continua

O presidente de Cuba, Raúl Castro, disse que está disposto a ter um diálogo com os Estados Unidos, mas reiterou que o sistema comunista de seu país permanece inegociável.

"Não me escolheram como presidente para restaurar o capitalismo em Cuba ou para renunciar à Revolução", afirmou Castro em um discurso na Assembleia Nacional, no sábado, após o qual foi aplaudido de pé.

"Fui eleito para defender, manter e continuar aperfeiçoando o socialismo. Não para destruí-lo."

Recentemente, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, fez comentários sobre a possibilidade de retomar o diálogo com Cuba, desde que houvesse reformas no país.

Castro, no entanto, reconheceu que tem havido menos agressões e menos retórica anti-Cuba nos Estados Unidos com o governo do presidente Barack Obama.

Mas lembrou que o embargo econômico à ilha permanece intacto, "perseguindo" quem comercializa com o país, e disse que o Departamento de Estado americano ainda mantém Cuba na lista das nações que apoiam o terrorismo.

Corte no orçamento

Ainda em seu discurso, Raúl Castro atacou aqueles que dizem que o sistema político cubano vai desmoronar "após a morte de Fidel (Castro) e todos nós".

"Se é assim que eles pensam, vão fracassar", afirmou.

O presidente cubano anunciou ainda que o governo fez cortes de orçamento pela segunda vez neste ano, em meio à crescente crise financeira.

Recentemente, o governo aprovou uma série de medidas de austeridade e revisou a previsão de crescimento econômico neste ano para 1,7%.

Raúl Castro assumiu a liderança de Cuba há três anos, quando seu irmão mais velho, o ex-presidente Fidel Castro, foi submetido a uma cirurgia do estômago.

Ele assumiu a formalmente a Presidência no ano passado.

Notícias relacionadas