Austrália prende suspeitos de planejar ataque terrorista

Policia com cachorro participa da operação em Melbourne
Image caption A operação envolveu mais de 400 policiais que revistaram residências

A polícia da Austrália prendeu, nesta segunda-feira, em Melbourne, quatro homens suspeitos de planejar um ataque suicida contra uma base militar no país.

Segundo a polícia, os quatro suspeitos seriam australianos com descendência somali e libanesa e teriam entre 22 e 26 anos.

Eles foram detidos durante uma “operação antiterrorista conjunta” que revistou cerca de 20 residências e envolveu mais de 400 policiais em Melbourne.

De acordo com a polícia, as detenções são resultado de sete meses de investigação que envolveu agencias estaduais e federais.

"A intenção destes homens era a de penetrar em alojamentos militares e matar o maior número de soldados possível antes que eles mesmos fossem mortos", disse Tony Negus, chefe da Polícia Federal da Austrália, em comunicado.

Segundo ele, caso não tivesse sido evitado, o ataque teria sido “o mais sério atentado terrorista já realizado em solo australiano”.

"Membros do grupo estavam buscando um fatwa ou decreto religioso para justificar um ataque terrorista na Austrália”, disse Negus.

Segundo o correspondente da BBC em Sydney Nick Bryant, relatos sugerem que aparelhos de vigilância eletrônicos teriam sido usados para monitorar membros do grupo.

O jornal australiano The Australian afirma que integrantes australianos do grupo viajaram à Somália recentemente para receber treinamento.

De acordo com o jornal, os detidos fariam parte do grupo somali al-Shabab, que quer destituir o governo da Somália e já foi acusado de ligação com a rede al-Qaeda.

Notícias relacionadas