Ataque étnico deixa ao menos 185 mortos no sul do Sudão

Image caption A região de Jonglei é uma das mais pobres do Sudão

Pelo menos 185 pessoas, a maior parte delas mulheres e crianças, morreram em um ataque étnico no Estado de Jonglei, no sul do Sudão, afirmaram, nesta segunda-feira, as autoridades locais.

Jonglei é um dos Estados mais pobres do país e está repleto de armas, herança de décadas de guerra civil. Correspondentes dizem que choques entre grupos rivais são comuns na região.

No confronto ocorrido na manhã de domingo, integrantes da etnia nuer foram atacados por homens da etnia murle, segundo o governador, Kuol Manyang.

Manyang disse que o grupo de homens, mulheres e crianças, que sofrem há tempos com falta de comida, foi pescar na manhã de domingo, protegidos por soldados, quando foram atacados.

O governador disse que os habitantes da região permanecem famintos e pediu para que a ONU intervenha.

De acordo com Goi Jooyul Yol, comissário da cidade de Akobo, 185 corpos foram encontrados até agora, incluindo os de 12 soldados.

Yol afirmou ainda que é possível que mais pessoas tenham sido mortas.

"Deve haver outros corpos debaixo dos arbustos, não sabemos ainda o número total (de mortos)" disse Yol, que afirmou ainda que o ataque "foi bem coordenado e planejado".

Darfur

O Estado de Jonglei é considerado pela ONU mais violento do que a região de Darfur, palco de um sangrento conflito no oeste sudanês.

Nos últimos meses, mais de mil pessoas morreram e milhares de outras foram obrigadas a deixar suas casas devido a conflitos étnicos em Jonglei.

O correspondente da BBC no Sudão James Copnall disse que líderes dos murle não estavam disponíveis para comentar o ocorrido.

Analistas dizem que a violência no sul do Sudão aumenta o temor de instabilidade antes das eleições gerais, em fevereiro de 2010.

Notícias relacionadas