Irlanda do Norte indicia suspeito por assassinato em 1973

Investigadores do Historical Enquiries Team (HET), da Irlanda do Norte
Image caption Crime vinha sendo investigado por unidade especializada da polícia

Autoridades da Irlanda do Norte prenderam e indiciaram um homem de 58 anos por um assassinato cometido há 36 anos.

O suspeito, que foi liberado sob fiança na terça-feira, foi acusado formalmente pela morte de Alfredo Fusco, que a imprensa local descreveu como um membro proeminente da comunidade italiana de Belfast.

Ele deve se apresentar à Justiça no dia 1º de setembro.

No dia 3 de fevereiro de 1973, dois homens fortemente armados entraram na lanchonete dele na capital norte-irlandesa, perseguiram-no até um quarto e o mataram a tiros.

À época, o assassinato do pai de família católico foi atribuído a paramilitares da milícia protestante Associação de Defesa do Ulster (UDA, na sigla em inglês). A organização nunca assumiu responsabilidade pelo crime.

O incidente vinha sendo investigado por uma unidade especial da polícia irlandesa dedicada exclusivamente ao período conhecido como Troubles, no qual se estima que morreram mais de 3,6 mil pessoas, entre membros de forças de segurança, civis e paramilitares.

Segundo a imprensa local, a família de Fusco vinha sendo alvo de intimidações nos meses anteriores ao assassinato. Dois meses antes, o carro dele havia sido incendiado.

No dia do crime, um aposentado que se encontrava por acaso em uma banca de jornais morreu do coração ao se espantar com os tiros provenientes da lanchonete de Fusco, ao lado.

Leia também na BBC Brasil: Entenda o conflito na Irlanda do Norte

Notícias relacionadas