Ataque suicida em Cabul não impedirá eleições, diz Karzai

Afegão ferido no ataque de sábado é tratado em hospital de Cabul
Image caption Dezenas de afegãos que estavam em frente ao prédio da Otan ficaram feridos

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, condenou o ataque suicida que matou sete pessoas e feriu outras 90 neste sábado perto da sede da Otan, em Cabul.

Karzai afirmou que as pessoas não devem ser impedidas de votar nas eleições presidenciais e provinciais marcadas para a quinta-feira.

"Os inimigos do Afeganistão tentam gerar medo nesta eleição mas as pessoas ainda percebem a importância de irem às urnas", afirmou o presidente em uma declaração divulgada depois do ataque.

O presidente acrescentou que os afegãos "não tem medo de nenhuma ameaça e vão depositar seus votos".

O ataque suicida deste sábado ocorreu em uma área de Cabul considerada a mais bem protegida da capital afegã, onde estão a sede da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e também as embaixadas dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha e o palácio presidencial

O grupo radical islâmico Talebã assumiu a responsabilidade pelo ataque e um porta-voz da organização teria afirmado que os alvos eram a sede da Otan e a embaixada dos Estados Unidos.

Mas, segundo correspondente da BBC em Cabul Martin Patience, o ataque deste sábado tem todas as características de uma ataque realizado por um outro grupo militante, que seria ligado ao Talebã.

Entre os feridos está uma parlamentar, Hawa Alam Nuristani, que também está trabalhando na campanha eleitoral de Karzai.

O Talebã, que foi derrubado do poder após a invasão militar liderada pelos Estados Unidos em 2001, prometeu boicotar as eleições e atrapalhar a votação, afirmando que vai atacar locais de votação e ameaçou com represálias contra a votação.

Patience afirma que, enquanto foi colocado em prática um complexo plano de segurança para tentar manter os níveis de violência mínimos antes das eleições, existe o temor real de que ocorram mais ataques na cidade nos próximos dias.

O último grande ataque contra Cabul ocorreu em fevereiro, quando vários atiradores, alguns com dispositivos para ataques suicidas, atacaram o Ministério da Justiça.

Segurança

Image caption O presidente Hamid Karzai afirma que ataques não vão deter eleitores

Zalmay Rassoul, Conselheiro de Segurança Nacional do presidente Hamid Karzai, disse à BBC que as eleições devem ocorrer sem maiores problemas apesar do ataque.

"Cabul tem estado relativamente segura. O moral do povo está muito alto, com um tremendo entusiasmo para a votação. Estávamos esperando algum tipo de ataque. Todas as medidas foram tomadas no setor eleitoral, então os locais (de votação) estarão bem protegidos", afirmou.

Rassoul afirmou que cada local de votação terá a segurança feita pela polícia afegã, o Exército Nacional Afegão e soldados da Isaf (a força de manutenção de paz liderada pela Otan).

A explosão deste sábado em Cabul atingiu a área fortemente protegida por volta das 8h30 (1h de Brasília).

"Foi um atentado suicida provocado por um carro bem em frente à sede da Isaf", afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa, general Mohammad Zahir Azimi, no local da explosão.

A região foi isolada pelas forças internacionais em meio ao trânsito de carros de polícia e ambulâncias.

Vários soldados da Isaf ficaram feridos e alguns dos feridos civis foram levados para o hospital local para tratamento de ferimentos graves.

De acordo com Ian Pannell, correspondente da BBC em Cabul, a área onde ocorreu o ataque tem um dos esquemas de segurança mais severos da cidade, com grandes barreiras de concreto, homens armados e várias barreiras onde os motoristas precisam parar e se identificar.

Pannell acrescenta que o fato de os responsáveis pelo ataque terem chegado até esta área é surpreendente.

E, o correspondente acrescenta que as fontes do setor de segurança afirmam que não há uma coordenação total entre as várias agências de segurança, as forças de segurança Afegãs, a polícia, as forças especiais e as forças internacionais.

Notícias relacionadas