Chicago cancela serviços públicos por um dia para economizar

Placa na prefeitura de Chicago. Foto: Getty Images
Image caption A prefeitura também fechou as portas para economizar

A cidade de Chicago, nos Estados Unidos, fechou os serviços públicos nesta segunda-feira para economizar e tentar lidar com o déficit orçamentário de US$ 300 milhões.

A prefeitura decidiu reduzir os serviços e cancelou aqueles considerados não essenciais, como a coleta de lixo. Vários locais como bibliotecas e centros de saúde permaneceram fechados.

Este é o primeiro de três dias de serviços reduzidos planejados pelo governo local. O mesmo deverá acontecer em 27 de novembro - um dia depois do feriado de Ação de Graças – e no dia 24 de dezembro, véspera de Natal.

A expectativa da prefeitura é que a redução nos custos, que envolve também um dia de férias forçadas não-remuneradas aos funcionários públicos, economize um total de U$ 8,3 milhões aos cofres públicos.

Em um comunicado divulgado na última semana, o prefeito da cidade, Richard Daley, agradeceu aos funcionários pelo que chamou de “sacrifício”.

“Esse plano envolve os empregados civis a aceitarem cortes e tornarem-se parte da solução para nossa crise orçamentária”, afirmou Daley.

Com os três dias de serviços reduzidos, o governo espera economizar um total de US$ 34 milhões. Apesar disso, a cidade ainda vai continuar com cerca de US$300 milhões de déficit em 2009.

Crise

Chicago é uma das muitas cidades americanas que decidiram adotar a redução de serviços e as licenças não-remuneradas para enfrentar o déficit orçamentário.

Na Califórnia, que registra cerca de US$24,3 bilhões em déficit e já declarou emergência fiscal, os prédios públicos são obrigados a fechar três dias por mês.

Em Michigan, o governo já afirmou que os funcionários públicos ficarão sem pagamento por seis dias até o final de setembro numa tentativa de economizar US$ 22 milhões.