Explosão no sul do Afeganistão mata pelo menos 40

Afegãos observam restos de explosão em Candahar (AP, 25 de agosto)
Image caption Dezenas ficaram feridos em explosão em Candahar nesta terça

Pelo menos 40 pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas nesta terça-feira em uma grande explosão no centro da cidade de Candahar, no sul do Afeganistão, informaram fontes policiais da região.

De acordo com as autoridades da província de Candahar, a bomba estava escondida em um caminhão-tanque ou em um caminhão convencional.

O correspondente da BBC Chris Morris, que está em Cabul, capital do Afeganistão, disse que o ataque ocorreu no início da noite desta terça-feira, quando os muçulmanos terminavam seu jejum diário do mês sagrado do Ramadã.

Janelas em diversas partes da cidade ficaram quebradas pela força da explosão, segundo Morris, e o escritório da empresa japonesa e um edifício nas proximidades, onde estava ocorrendo um casamento, ficaram severamente danificados.

Muitos hotéis e sedes de organizações não-governamentais também ficam nas proximidades, assim como o Conselho da província de Candahar.

As autoridades locais responsabilizaram o Talebã pelos ataques, embora nenhum grupo tenha reivindicado sua autoria até o momento. Candahar é considerada um reduto dos talebãs.

A explosão ocorreu pouco depois da divulgação dos primeiros resultados das eleições no país, que ocorreram na última quinta-feira. A apuração preliminar indicou uma pequena vantagem para o atual presidente, Hamid Karzai.

Leia também na BBC Brasil: Contagem inicial dá estreita vantagem a Hamid Karzai

Ano mais violento

Uma outra explosão nesta terça-feira matou quatro soldados americanos que integravam as forças da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) no Afeganistão.

Segundo o porta-voz da Otan, general de brigada Eric Tremblay, os soldados foram mortos “enquanto patrulhavam uma das áreas mais violentas do Afeganistão”, sem especificar, no entanto, o local exato das mortes.

O incidente elevou o número de soldados estrangeiros mortos no Afeganistão neste ano para 295, tornando 2009 o ano mais violento para as tropas ocidentais desde o início do conflito em 2001.

Em 2008, que até então havia sido o ano mais violento, 294 militares estrangeiros tinham morrido.

No último mês de maio, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, quase dobrou o contingente de tropas americanas no Afeganistão, aumentando o total de tropas ocidentais no país para cerca de 100 mil.

Notícias relacionadas