Morte de Michael Jackson foi homicídio, diz legista de LA

Michael Jackson
Image caption Michael Jackson sofreu uma intoxicação aguda de propofol

O legista de Los Angeles anunciou formalmente nesta sexta-feira que a morte de Michael Jackson foi classificada como homicídio.

A causa da morte do cantor teria sido uma intoxicação aguda causada pelo anestésico propofol e pelo sedativo lorazepam.

Segundo o relatório divulgado pelo legista, estas seriam as “drogas primárias responsáveis pela morte de Michael Jackson”.

Além das duas, outras quatro drogas foram encontradas no corpo do cantor, entre elas diazepam, lidocaína e efedrina.

Os detalhes finais sobre a autópsia serão mantidos em sigilo até o final das investigações policiais.

A polícia de Los Angeles afirmou que entrevistou o médico de Michael Jackson, Conrad Murray, mas ele não foi indicado como suspeito.

De acordo com um relatório divulgado anteriormente, o médico afirmou que estava tratando o cantor com o anestésico propofol para um problema de insônia.

Murray afirmou, no entanto, que estava preocupado já que o cantor estaria se viciando no remédio e tentou mudar a medicação.

O corpo do cantor será enterrado no dia 3 de setembro no cemitério Forest Lawn Memorial Park em Glendale, nos arredores de Los Angeles, em uma cerimônia privada.

Notícias relacionadas