Americana raptada há 18 anos reencontra a mãe

Jaycee Lee Dugard (arquivo)
Image caption Jaycee teria tido dois filhos com o sequestrador no cativeiro

Uma mulher que foi raptada quando tinha 11 anos, em 1991, encontrou-se com a mãe e a irmã, depois que a polícia prendeu um casal suspeito de ter mantido a jovem como refém por quase duas décadas.

Jaycee Lee Dugard, de 29 anos, teria sido estuprada e tido dois filhos com Phillip Garrido durante o tempo em que esteve confinada. Segundo o jornal americano The New York Times, sua mãe, Terry Probyn, disse que o estado da filha era bom. Não há detalhes sobre o encontro.

O padrasto de Dugard, Carl Probyn, disse que não tem dúvida de que a mulher encontrada pela polícia do Estado americano da Califórnia é realmente a filha que ele viu de longe, da janela de sua casa em South Lake Tahoe, ser arrastada para dentro de um carro quando esperava um ônibus, há 18 anos.

"Ela respondeu a todas as perguntas corretamente", disse ele, de acordo com o periódico. "Por isso que teste de DNA não é necessário."

"É um milagre termos conseguido tê-la de volta", afirmou em entrevista ao jornal Los Angeles Times. "Como você consegue recuperar 18 anos? Eu só espero que ela tenha uma vida decente daqui para a frente. A vida dela parou aos 11 anos."

O padrasto e a mãe de Dugard se separaram após o sequestro da menina. Ele foi considerado um suspeito no caso.

DNA

Apesar da certeza manifestada pelo padrasto de que se trata de Dugard, a polícia diz que a identidade da mulher ainda deve ser confirmada por testes de DNA.

Image caption Carl Probyn viu a enteada ser arrastada para dentro de um carro em 1991

Phillip Garrido, de 58 anos, e sua mulher, Nancy, de 54, foram detidos na quarta-feira após terem comparecido a uma delegacia na cidade de El Dorado, ao lado de duas crianças e uma mulher, por conta de uma outra investigação.

Os policiais teriam desconfiado que a mulher que acompanhava o casal e usava o nome de Allissa seria Dugard.

Garrido havia recebido ordem para se reportar às autoridades depois que um policial no campus da Universidade da Califórnia, em Berkeley, descobriu que ele estava sob liberdade condicional por estupro e sequestro. O suspeito tentava distribuir folhetos sobre religião, juntamente com duas crianças.

Por causa de sua condenação como pedófilo, Garrido estava proibido de estar na presença de menores e deveria se reportar a um responsável pelo monitoramento de sua liberdade condicional.

Quintal

Segundo o delegado da polícia de El Dorado, Fred Kollar, o casal Garrido vivia com Dugard e as duas crianças em uma residência na cidade de Antioch, na Califórnia.

Image caption Phillip Garrido já tinha sido condenado por pedofilia

Kollar afirmou ainda que a polícia realizou buscas no local e encontrou um quintal escondido, com barracas, tendas e cômodos, onde Dugard e as duas filhas teriam passado a maior parte de suas vidas.

"Elas nunca foram para a escola; nenhuma delas jamais visitou um médico", afirmou Kollar, segundo o New York Times. "Elas foram mantidas em total isolamento."

Além disso, a polícia encontrou ainda um carro escondido no quintal que confirma a descrição feita quando Dugard foi sequestrada.

Dugard teria sido estuprada por Garrido pela primeira vez aos 14 anos. As filhas teriam 15 e 11 anos de idade, respectivamente.

Notícias relacionadas